Cultura

Artesanato e cordel são destaques do ciclo de debates da Fundação Casa de José Américo

Os debates sempre acontecem às 9h30, pelo canal da instituição no Youtube.




Fotos: Rafael Passos/Secom-JP

O ciclo de debates ‘História Cultural da Paraíba – Diálogos Presentes’, promovido pela Fundação Casa de José Américo, entra para mais uma semana de discussões durante esta época de pandemia. A pauta desta vez envolve temas como artesanato e literatura de cordel. Nesta terça-feira (30), a partir das 9h30, o painel ‘Saberes e fazeres populares: o artesanato paraibano’ será a atração, com a participação de Marielza Targino e Ângelo Rafael. As transmissões estão sendo feitas através do canal da instituição no Youtube.

Na quinta-feira (2) será a vez de Karin Picado e Nelson Barbosa de Araújo debaterem sobre literatura de cordel e a tradição oral, também às 9h30. Os dois debates desta semana serão mediados pela professora Lúcia Guerra.

Na sua avaliação, Lúcia afirmou que coordenar o ciclo de debates tem sido uma grande responsabilidade, mas também um momento muito gratificante. Ela destacou que a seleção das temáticas, com diversas expressões artísticas e de linguagens, além da contribuição de pessoas convidadas, estão se refletindo na qualidade da programação.

“Avalio o impacto pela importância e pertinência dos temas, colocando a cultura paraibana na pauta do dia, a partir da contribuição de estudiosos, artistas e produtores culturais. Está sendo possível motivar o diálogo desejado, com a interação dos internautas, que estão complementando informações e apresentando questões que só enriqueceram os debates”, disse Lúcia Guerra.

Na próxima semana, o debate da terça-feira (7) terá o tema ‘Arte em tempos de pandemia e pesquisa em/sobre artes visuais na Paraíba’, com Chico Pereira, Flávio Tavares e Robson Xavier da Costa. Na quinta (9), Linaldo Guedes e Bruno Gaudêncio falarão sobre ‘Literatura, escritores, movimentos e redes de sociabilidade’.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.