Ciência e Tecnologia

Postura incorreta afeta usuário de computador

Segundo o médico ortopedista Felipe Tavares Sena, tem crescido o número de pacientes com problemas decorrentes de postura incorreta.




De Luzia Santos do Jornal da Paraíba

O analista de sistema Eduardo Nogueira, de 37 anos, tinha 32 anos quando começou a sentir dormência na mão direita. Na época ele trabalhava como arte-finalista e usava o computador e, principalmente, o mouse por mais de oito horas diárias. “Minha mão travou. Parei de sentir os meus dedos e não consegui movimentá-los, em pleno horário de trabalho”. A dormência desapareceu em alguns minutos, mas ele foi diagnosticado com Lesões por Esforços Repetitivos (LER) ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort), como é conhecido atualmente. O dano foi provocado por dois vícios rotineiros de postura: deixar o pulso fora da mesa de apoio na hora de usar o mouse e esquecer de dar intervalos obrigatórios durante o trabalho.

Segundo o médico ortopedista Felipe Tavares Sena, membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) e da Associação Médica Brasileira (AMB), tem crescido o número de pacientes com problemas decorrentes de postura incorreta. “A cada 10 pacientes, dois aparecem com problemas por uso incorreto do corpo no trabalho – seja pelo uso do mouse ou pela posição de sentar, dirigir, escrever, carregar mochilas, cortar cabelo, crochê, atividades mecânicas ou do lar”, revelou.

Os erros de postura podem levar a graves problemas de saúde. Os usuários de computador desatentos ou que seguem uma árdua rotina de trabalho podem sofrer dores de cabeça, dor em toda a extensão da coluna vertebral, dormências nos membros superiores e inferiores além de dores articulares em joelhos, mãos, ombros, tornozelos. Quando o paciente apresenta doenças inflamatórias ocasionadas por esforços repetitivos, pode até mesmo necessitar de imobilizações e afastar-se do trabalho.

Dados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) apontam que esse grupo de patologias é a segunda causa de afastamento do trabalho no Brasil. A maior incidência ocorre na faixa etária entre 30 e 40 anos. De acordo com o Instituto Nacional de Prevenção às LER/Dort, os profissionais mais atingidos são bancários, digitadores, operadores de linha de montagem, operadores de telemarketing, secretárias e jornalistas.

O fisioterapeuta Luis Henrique Tormes diz que as lesões provocadas pela má postura na frente do computador estão relacionadas ao músculo e aos tendões. A tendinite, processo inflamatório que atinge os tendões do corpo humano, aparece principalmente na pulso. Ela pode se manifestar através de dor e inchaços e, muitas vezes, vem acompanhada de limitações para realizar alguns movimentos, a exemplo de digitar ou fazer movimentos circulares com a mão.

O analista de sistemas Eduardo Nogueira lembra que apesar de passar muitas horas na frente do computador se descuidava nos cuidados com o corpo. “Minha mesa de trabalho era estreita e não sobrava espaço para apoiar o braço. Até sentir a dormência da mão, eu não me preocupava, ia me ajustando e encontrando saídas improvisadas para trabalhar. Com o tempo, foram aparecendo as primeiras consequências. Primeiro foi a dor, principalmente, no dedo indicador, usado para clicar. Depois a dor se estendeu até a altura do cotovelo e passei a sentir como uma fadiga do músculo do braço. Quando procurei um médico, ele diagnosticou a LER e determinou repouso”, revelou.
 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.