Brasil

Sangue do pai de Eliza será comparado a vestígios

Jovem que cobrava reconhecimento de paternidade do filho desapareceu. Goleiro Bruno, do Flamengo, é suspeito, segundo a polícia.




Do G1

A Polícia de Belo Horizonte vai comparar amostras de sangue de Luís Carlos Samudio, pai de Eliza Samudio, com vestígios encontrados no carro do jogador e com algum material que possa esclarecer o que aconteceu com a jovem. Eliza está desaparecida há três semanas.

O goleiro Bruno, do Flamengo, é suspeito de envolvimento no desaparecimento da jovem, segundo a polícia. Eliza brigava na Justiça para que Bruno reconhecesse a paternidade do filho de quatro meses.

Nesta terça-feira (29), fontes ligadas às investigações confirmaram que o pai de Eliza deixou amostras de sangue com a polícia de Belo Horizonte antes de levar o neto para Foz do Iguaçu, no domingo (27).

No início da noite desta terça, o delegado Edson Moreira disse que a vida passada do jogador também será levada em consideração na apuração do caso do desaparecimento de Eliza. Bruno deu declarações polêmicas no caso da briga do atacante Adriano, ex-Flamengo, com a ex-noiva, Joana Maranhão. No dia 6 de março, Bruno disse, em entrevista: “Qual de vocês aí que é casado, que nunca brigou com a mulher, que nunca discutiu e até saiu na mão com uma mulher?".

"Tudo o que faz parte da vida pregressa dele deve ser investigado, afirmou Moreira.

Segundo o delegado, a maior dificuldade nesta fase da investigação é saber se Eliza está viva ou morta. Durante a manhã, Moreira afirmou que a probabilidade de Eliza estar morta é grande.

Até o momento, segundo Moreira, 20 pessoas foram ouvidas nas investigações. Ele disse que, "no momento certo", o jogador será interrogado. “Tudo tem sua hora", afirmou.

Moreira se reuniu nesta terça-feira (29) com a delegada Alessandra Wilke, de Contagem (MG), para discutir o caso do desaparecimento de Eliza.

Dois investigadores entraram no condomínio do sítio do goleiro Bruno, em Esmeraldas (MG), na tarde desta terça-feira. Também nesta terça, fontes ligadas às investigações informaram que foram encontrados vestígios de sangue no carro do jogador. O exame foi feito com luminol, substância que detecta presença de sangue.

O motorista de Bruno, Clayton, foi ouvido pela polícia em Contagem, na Grande Belo Horizonte, na tarde desta terça. O advogado do motorista e uma mulher que teria sido reconhecida por inspetores como esposa de Clayton estiveram na delegacia.

Na saída, o motorista não quis falar com a imprensa. Já o advogado Lorivaldo Carneiro disse: "Meu cliente é inocente, não deve nada. Prestou declaração apenas e foi liberado." Quando perguntado se Clayton é amigo de Bruno, Carneiro disse apenas que amizade não quer dizer nada.

Confira matéria completa no G1


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.