Brasil

Sai Exército e entram Militares no Morro da Providência

Após diminuição da contingente do Exército, Polícia Militar começa a ocupar morro onde três jovens foram mortos na semana passada.




Do G1

Policiais Militares do Comando de Policiamento em Áreas Especiais (CPAE), do 5º BPM (Praça da Harmonia) e de Rondas Ostensivas Nazareth Cerqueira (Ronac) começam nesta segunda-feira (23) a atuar no Morro da Providência, na Zona Portuária do Rio, onde três jovens foram mortos na semana passada.

Os rapazes foram detidos por militares que trabalhavam na área quando voltavam de um baile funk e entregues a traficantes do Morro da Mineira. Apesar de confirmar o reforço na área, a Polícia Militar não informa o efetivo enviado para substituir os militares. No sábado (21), o Comando Militar do Leste anunciou que diminuiu o contingente na área de 200 para 60 homens.

A redução foi feita em resposta à decisão judicial expedida nesta sexta-feira (20), do presidente do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, desembargador Castro Aguiar, que estabeleceu restrições à permanência do Exército na comunidade.

Exército tem uma semana para cumprir decisão
De acordo com a determinação, a presença dos soldados deve ser restrita às ruas onde há obras do Projeto Cimento Social. Além disso, os militares não poderão realizar serviços de segurança pública.

Na manhã de sábado (21), contudo, a equipe do RJTV flagrou soldados do Exército patrulhando áreas nas imediações da favela, em desacordo com a decisão. Segundo a Defensoria Pública, o Comando Militar do Leste tem uma semana para cumprir a decisão da Justiça.

De acordo com o defensor André Ordacgy, caso o Exército infrinja as restrições, a Defensoria Pública da União vai requerer a aplicação de multa diária R$ 10 mil, além de pedido de responsabilização criminal.

Lula discute atuação do Exército
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encontra nesta segunda-feira (23) com o governador Sérgio Cabral, no Rio. Num almoço, os dois devem decidir qual será o papel do Exército no Morro da Providência a partir do dia 26, prazo determinado pelo Tribunal Regional Federal para que o governo apresente uma solução definitiva para a continuação das obras e a segurança dos militares envolvidos.

Além de Lula e Cabral, devem participar da reunião o ministro da Defesa, Nelson Jobim, integrantes da cúpula do Comando do Exército e membros da secretaria de segurança pública do estado. Lula também deve discutir durante o almoço qual deve ser a indenização a ser paga para os familiares dos três jovens mortos


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.