Brasil

Adolescente nega ter visto esquartejamento de Eliza, diz advogado

Adolescente afirmou que não presenciou morte da ex-amante de Bruno. Advogado diz que seu cliente ‘inventou’ tudo por ter sido pressionado.




Do G1

O adolescente que confessou ter participado do desaparecimento de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno de Souza, desmentiu nesta terça-feira (27), em Belo Horizonte, durante uma acareação que durou quase três horas com Sérgio Rosa Sales, primo do jogador, que presenciou o assassinato e esquartejamento da jovem, informou seu advogado, Eliézer Jônatas de Almeida Lima.

O advogado já havia afirmado que o jovem foi “pressionado” e inventou alguns trechos dos depoimentos que prestou à Polícia Civil do Rio de Janeiro. Eliézer Lima disse que o menor teria sido agredido pelos policiais.

Nesta terça, Lima disse que seu cliente “corrigiu” e “desmentiu” as primeiras versões.

“O menor desmentiu toda essa cena dantesca de que houve a ‘finalização’ de Eliza e de que houve, vamos dizer, o esquartejamento dela e que parte do corpo tenha sido jogada para os cães. Isso não existe”, afirmou Eliézer Lima.

O primo do atleta, Sérgio Rosa Sales, confirmou durante a acareação os depoimentos que prestou até agora.

A acareação acabou pouco depois das 20h. Os dois foram levados ao Departamento de Investigações (DI) e os depoimentos anteriores prestados à polícia foram lidos.

Os delegados Edson Moreira e Wagner Pinto participaram da acareação. O objetivo da polícia foi tentar esclarecer as divergências.

O advogado Marco Antônio Siqueira, que representa Sales, disse que os dois choraram em alguns momentos.

O advogado Eliézer Lima, defensor do adolescente, disse que seu cliente voltou a repetir que foi chamado apenas para “dar um susto” em Eliza e não sabia que ela seria sequestrada. Segundo Lima, o adolescente diz que “foi enganado” quando foi levado para o sítio de Bruno, em Esmeraldas (MG).

No primeiro depoimento, à polícia fluminense, no início deste mês, o menor disse que ele e Luiz Henrique Ferreira Romão, amigo de Bruno conhecido como Macarrão, levaram Eliza do Rio para o sítio do goleiro. Ainda segundo o relato inicial do adolescente, Eliza foi levada para uma casa e foi assassinada por um homem identificado como Neném. O adolescente também afirmou que Sales tomou conta de Eliza enquanto ela era mantida em cárcere privado, no sítio, e que teria ido até o local onde a jovem teria sido morta.

O advogado Marco Antônio Siqueira disse que esperava a realização da acareação. Ele afirma que Sales foi apenas uma testemunha e não teve envolvimento no sumiço e suposta morte de Eliza. “O menor disse que Sérgio não tem nada a ver com esse episódio”, disse Siqueira, citando as declarações feitas nesta terça.

Leia a reportagem completa no G1


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.