Vida Urbana

SUS não possui equipamentos para cirurgia na cabeça de bebê

Criança tem cranioestenose e precisa de cirurgia, mas o SUS alegou não ter equipamentos necessários




Uma família vem lutando pela vida do filho, que necessita de uma cirurgia na cabeça e não pode ser operado pois o Sistema Único de Saúde alegou não possuir os equipamentos necessários para o procedimento. Os pais não tem condição financeira ou um plano de saúde que cubra a operção.

Davi Gabriel vai completar um ano de idade na próxima quarta-feira (27), e os médicos detectaram logo após seu nascimento que a criança tinha hidrocefalia, um acumulo de água dentro do crânio.

Uma cirurgia foi feita para tratar do problema, mas outro problema foi observado pelos médicos. Um fechamento prematuro dos ossos do crânio conhecido como cranioestenose, que impede o crescimento normal do cérebro, causando deformidades e lesões neurológicas.

O SUS informou que não tem o material necessário para fazer a operação, equipamento este que chega ao valor de R$ 7 mil. Os pais estão lutando para que o processo seja realizado há quatro meses, pois, segundo os médicos, as chances de sucesso da cirurgia são maiores quando feita antes da criança completar um ano.

No último dia 20, Cibele Neves, mãe do garoto, entrou com o pedido através de um protocolo da Secretaria de Saúde da Paraíba, solicitando a compra do material, mas até hoje (25), não obteve nenhuma resposta ainda.

“Ultimamente ele está sempre sonolento, tendo dores de cabeça e até vômitos”, informou Cibele, que continua aguardando uma resposta.

A diretora do Hospital Arlinda Marques, Ana Márcia Fernandes, confirmou que a família fez o pedido no dia 20 deste mês, e garantiu que a compra dos equipamentos já foi providenciada, mas continuou sem informar uma provável data para a cirurgia.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.