Vida Urbana

Projeto da UEPB vai aprimorar técnica de processamento da carne do caranguejo

Execução vai ser em parceria com Escola de Ciências Aplicadas do Reino Unido.




Um projeto elaborado pelo professor José da Silva Mourão, do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação e da Pós-Graduação em Etnobiologia e Conservação da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), será desenvolvido em comunidades tradicionais de pescadores do estuário do Rio Mamanguape,
que trabalham no processamento da carne do caranguejo.

Intitulado “Quantificação e redução da pegada ambiental do processamento de carne de caranguejo e escopo para compostos bioativos”, o projeto será executado em parceria pesquisadora Karen Diele, da Edimburgo Napier Universidade, Escola de Ciências Aplicadas do Reino Unido. Os pesquisadores pretendem, com essa iniciativa, desenvolver algumas técnicas que visem melhorar a qualidade na produção e comercialização do produto final e assim agregar valor e melhorar a renda dos trabalhadores.

Além disso, estudos referentes ao melhor aproveitamento do exoesqueleto para exploração de compostos
bioativos também farão parte da proposta, sendo mais uma oportunidade de renda para a comunidade. O
professor José da Silva Mourão afirmou que o projeto ajudará no desenvolvimento de parcerias
estratégicas internacionais na Paraíba e terá um impacto positivo sobre as implicações socioecológicas da
pesca e comercialização do caranguejo-uçá, proporcionando melhorias tanto no meio ambiente, como na
economia e na sociedade.

Economia

O docente ressaltou que já trabalha com os pescadores do Rio Mamanguape há alguns anos e, em seu
estudo, observou como essa atividade contribui para o fortalecimento da economia na região. Ele contou
que os pescadores retiram o crustáceo e fazem o beneficiamento para, em seguida, vender nos mercados.
A ideia do projeto é apresentar novas técnicas que aprimorem a atividade e, consequentemente, ajude a
melhorar a vida dos pescadores.

Em sua pesquisa, o professor da UEPB descobriu que os pescadores descartam o casco do caranguejo que,
segundo ele, poderia ser melhor aproveitado para incrementar a renda. A pesquisadora Karen Diele vai
passar oito semanas na Paraíba e, nesse período, deve conversar com os pesquisadores e conhecer de
perto a atividade desenvolvida na região do mangue paraibano.

O projeto do professor da UEPB foi aprovado no edital do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de
Amparo à Pesquisa (Confap), que tem por objetivo trazer pesquisadores do Reino Unido ao Brasil para a
realização de atividades de pesquisa, em colaboração com pesquisadores locais. No total, foram
selecionadas 48 propostas escolhidas de acordo com a avaliação de cada Fundação – dos estados de
Alagoas, Espírito Santo, Goiás, Paraíba, Paraná, São Paulo, Sergipe e do Distrito Federal. Os pesquisadores participantes são ligados às áreas de ciências naturais, incluindo engenharias, ciências médicas, ciências sociais e humanidades.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.