Vida Urbana

Programa de combate à extinção do peixe-boi marinho desenvolvido na PB é referência para outros estados

Além da Paraíba, serão contemplados Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia.




Foto: Divulgação/Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho

Com base nas referências de projetos desenvolvidos para combater a extinção do peixe-boi marinho na Paraíba, o Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho (PVPBM) ampliará sua área de atuação no Nordeste. Os trabalhos são realizados na Área de Proteção Ambiental (APA) da Barra do Rio Mamanguape, onde obtém o principal estuário que ocorrem as passagens da espécie no Brasil. Por ser considerada uma região com atributos ecológicos que propiciam a existência da espécie aquática, as ações desenvolvidas em território paraibano se tornaram referência no país. Além da Paraíba, serão contemplados Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia.

De acordo com o coordenador do PVPBM, João Carlos Gomes Borges, na Paraíba são monitorados cinco peixes-bois marinhos, mas de acordo com levantamento realizado, do estado de Alagoas até o Piauí, a estimativa é que existam cerca de 1.000 animais desta espécie. “Nós temos aqui na Paraíba diversas ações de pesquisas, o principal é o monitoramento dos peixes por uma tecnologia satelital, que foi testada e é utilizada apenas no estado. Essa tecnologia monitora a espécie via satélite, um projeto inédito no Brasil. A nossa ideia é ampliar o número de animais que possam ser monitorados”, afirma. “Um ponto importante destacar é que a paraíba também se tornará a principal área de reintrodução da espécie no sei habitat natural”, conclui.

Em cada estado que o Projeto atuará, serão desenvolvidas ações específicas para o contexto do local. “Os habitats utilizados por estes animais encontram-se seriamente comprometidos. Vamos atuar monitorando os peixes-bois marinhos reintroduzidos e desenvolvendo ações de educação ambiental, com palestras e atividades culturais, a exemplo do Cine Peixe-Boi com exibição e estímulo à produção de vídeos voltados para a conservação ambiental”, explica o coordenador do Projeto.

Ameaças à espécie

Os impactos ambientais é um dos principais fatores para a ameaça de extinção da espécie. Lixo, esgoto e substâncias tóxicas lançadas nos mares e nos rios, circulação intensa de embarcações motorizadas nos locais de ocorrência da espécie, degradação dos manguezais, destruição da mata ciliar, construções desordenadas em praias e estuários, perda de habitat (estuários e áreas costeiras), captura acidental em redes de pesca. Todos estes fatores vêm colocando em risco o ambiente, a saúde e a vida dos peixes-bois marinhos.

Visitação do público

Ainda de acordo com o coordenador do PVPBM, João Carlos, está previsto uma reforma de estrutura para visitação ao público. Porém, enquanto a obra não é realizada, o projeto oferece ao público passeios pelo local. “Essa nossa ação possibilita que os turistas possam ver o peixe-boi marinho e conheça um pouco mais o nosso projeto”, diz.

O Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho

Possui uma base executora na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) e conta com estruturas de apoio nas unidades da Fundação Mamíferos Aquáticos (FMA) localizadas no Recife (PE), Aracaju (SE) e Mangue Seco (BA). A FMA é uma organização social sem fins lucrativos que há 28 anos trabalha com a missão de promover a conservação dos mamíferos aquáticos e seus habitats, visando a sustentabilidade socioambiental. Qualquer informação sobre peixe-boi marinho (casos de encalhe, ameaças, dúvidas), é possível entrar em contato pelos telefones: (83) 99961-1338/ (83) 99961-1352/ (81) 3304-1443.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.