Vida Urbana

Pesquisa da UFCG estuda a dinâmica da violência nas principais cidades da Paraíba

Estudo revela que melhoria dos índices socioeconômicos não resultou na redução da criminalidade.




Uma pesquisa realizada na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) revela que, apesar da diminuição da desigualdade social e da extrema pobreza nas cidades de Campina Grande e João Pessoa, houve um aumento significativo na taxa de homicídios como ponto de referência/medição da violência. Os números praticamente dobraram em 20 anos.

De acordo com o estudo, a renda per capita e os índices de desenvolvimento humano aumentaram em todos os seus componentes nas cidades destacadas. Contudo, as taxas de homicídios seguiram a ascendente, ou seja, a melhoria dos índices socioeconômicos não resultou na redução da criminalidade

O texto, intitulado “Os homicídios na Paraíba: Dinâmica e relações causais da violência medida pelos homicídios nas principais cidades da Paraíba”, foi publicado como capítulo do livro Investigação Científica nas Ciências Humanas e Sociais Aplicadas 3, organizado por Willian Douglas Guilherme. É resultado da pesquisa efetuada no Núcleo de Estudos da Violência da UFCG (NEVU) pelo mestrando em Ciência Política, Eduardo Souza Silva, em parceria com o professor José Maria Nóbrega Júnior, do curso de Tecnologia em Gestão Pública do Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido (CDSA), campus Sumé.

Amostragem

O capítulo fala sobre pesquisa feita no período de 2000 a 2012 e estudou o crescimento nas taxas de homicídios por grupo de cem mil habitantes, buscando responder as seguintes questões: Qual a dinâmica dos homicídios perpetrados nos municípios paraibanos com populações a partir dos 100 mil habitantes? Há relação/correlação/ associação entre a desigualdade social, a pobreza e o desenvolvimento econômico com o número de homicídios naqueles municípios? Qual o papel do estado (estadual e municipal) no controle dos homicídios naqueles municípios?

A pesquisa utilizou bancos de dados disponíveis no Sistema de Informação de Mortalidade e Sistema de Dados do Sistema Único de Saúde (SIM/DATASUS) e no IBGE, bem como informações resgatadas no decorrer do estudo em outros institutos e bancos de dados. De acordo com o estudo, “os principais resultados alcançados foram, a crescente violência homicida na Paraíba, tendo como perfil da vítima, homens, entre 15- 29 anos, solteiro, de pele parda e com baixos níveis de escolaridade”.

Acesse aqui o livro completo


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.