Vida Urbana

Paraíba tem quase 85 mil coletas de sangue em um ano

Pessoas com idades entre 16 a 69 anos podem ser doadoras; veja outros critérios.




O Dia Mundial do Doador de Sangue é celebrado nesta sexta-feira (14). Foto: Herbert Clemente

No Dia Mundial do Doador de Sangue, celebrado nesta sexta-feira (14), o Ministério da Saúde divulgou um levantamento que revela que a Paraíba alcançou a marca de 84.563 coletas, em 2017. Caso cada uma das 2,59 milhões de homens e mulheres com a idade aptar a doar no estado, o percentual chegaria a 3,26% da população e está acima dos parâmetros preconizados pela Organização Mundial da Saúde, que recomenda que 1% a 3% da população de cada país seja doadora.

Segundo o Ministério da Saúde, nos últimos anos, as taxas de doação de sangue apresentam-se estáveis, no Brasil. O Ministério da Saúde avalia que essa estabilidade indica um processo de conscientização da população, mas, reforça que é necessário promover e fortalecer as ações que estimulam a doação voluntária para manutenção dos estoques de sangue.

Ações e datas como essa são importantes para lembrar que a doação de sangue salva muitas vidas, avalia o ministro da Saúde interino, João Gabbardo. O Ministério da Saúde reforça que apesar do número de doações se manter estável é preciso chamar atenção aos períodos que se tem uma baixa de estoque de sangue como férias, festas regionais, inverno e feriados prologados. “Nesses momentos, as pessoas mudam suas rotinas, viajam ou aproveitam para descansar. Então é importante fazer a doação de sangue antes de viajar ou de curtir o feriado”, ressaltou Gabbardo.

Dados nacionais

No Brasil, em 2017, foram coletadas 3.4 milhões de bolsas de sangue e realizadas 2,8 milhões de transfusões de sangue. Estima-se que 34% dessas doações de sangue correspondem à doação de reposição, aquela que o indivíduo doa para atender à necessidade de um paciente motivado pelo serviço, família ou amigos do receptor e; 66% correspondem à doação espontânea, de acordo com os dados do Ministério da Saúde. Ainda em 2017, foram realizadas 2,8 milhões de transfusões de sangue.

O procedimento de doação é muito seguro para o doador. Além da sorologia, 100% do sangue coletado na rede pública de saúde também passa pelo Teste NAT, que reduz a chamada janela imunológica para HIV, Hepatite C e B, tempo em que o vírus já está presente no doador e ainda não é possível sua detecção. “Durante a entrevista que antecede a doação de sangue, que é sigilosa, é avaliado o estado de saúde do doador, visando à proteção de sua saúde e da saúde do receptor e, ainda, são utilizados produtos descartáveis no processo de doação”, explicou o coordenador-geral de Sangue e Hemoderivados, do Ministério da Saúde, Flávio Vormittag.

Quem pode doar

Em 2012, o Ministério da Saúde reduziu a idade mínima de 18 para 16 anos (com autorização do responsável) e ampliou a idade máxima de 67 para 69 anos. O doador deve pesar no mínimo 50 kg e estar em bom estado de saúde geral.

Outras recomendações necessárias são: estar descansado, não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores à doação e não estar de jejum.

A frequência máxima de doações é de 4 doações anuais para o homem e de 3 doações anuais para a mulher. O intervalo mínimo deve ser de 2 meses para os homens e de 3 meses para as mulheres.

Confira os ranking de coletas de sangue por estados:

SP830140
MG326754
PR238485
RS229410
BA197788
PE186798
RJ155170
GO122034
CE112472
SC107682
PA102766
PB84563
MA79015
ES69825
MT67395
AM63551
MS57348
PI56619
DF53748
RN52798
AL43991
RO32572
SE24968
TO24935
AP13392
RR11947
AC10568
Total 3356734


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.