Vida Urbana

Operação prende 15 pessoas e desarticula esquema de tráfico comandado por detentos

Mais de 30 kg de drogas foram apreendidos. Oito detentos de dois presídios estão entre os alvos.




Detentos foram alvos de novos mandados de prisão (Foto: Antônio Vieira/TV Cabo Branco)

Quinze pessoas foram presas em uma operação policial contra o tráfico de drogas na cidade de Santa Rita, Região Metropolitana de João Pessoa, na manhã desta quinta-feira (8). De acordo com o delegado seccional de Santa Rita, Everaldo Medeiros, oito detentos de duas unidades prisionais estão entre os alvos da ação. Mais de 30 kg de drogas e 10 armas de fogo foram apreendidas durante a operação.

“O objetivo da operação foi libertar a população de Santa Rita desses criminosos, eles utilizam as casas do povo, muitas vezes expulsam os moradores, instauram um clima de terror”, disse Everaldo Medeiros. Segundo o delegado, a ação só foi possível por conta da colaboração da população.

A Operação Anfíbio contou com a participação de 100 policiais civis e militares. Os mandados foram expedidos pela 5ª Vara Criminal da Comarca de Santa Rita.

Três mandados de prisão foram cumpridos dentro da Penitenciária de Segurança Máxima Romeu Gonçalves Abrantes, o PB1, em João Pessoa. Além disso, houve o cumprimento de cinco mandados de prisão dentro do Presídio Padrão de Santa Rita. Os detentos respondem por crimes de homicídio, tráfico de drogas e organização criminosa, e atuariam no comando do tráfico de dentro dos presídios.

Detalhes da investigação foram revelados durante entrevista coletiva (Foto: Antônio Vieira/TV Cabo Branco)

Conforme informações da superintendente da Polícia Civil, Roberta Neiva, a atuação dos detentos seria no comando do tráfico a partir do sistema prisional. Foi novamente dada voz de prisão a eles pelos mandados expedidos pela Justiça e eles serão ouvidos na Central de Polícia de João Pessoa.

De acordo com Everaldo Medeiros, alguns familiares de presidiários também foram presos em flagrante, suspeitos de serem responsáveis pela operação financeira da quadrilha. Eles também compraram carros e motos para serem utilizados no tráfico de drogas e em assassinatos. Os nomes das pessoas presas não serão divulgados pela Polícia Civil para não prejudicar o andamento das investigações.