Vida Urbana


Jovem detido por morte de padre muda versão e diz que objetivo era roubar cofre

Inicialmente, ele havia dito que padre tinha tentado fazer sexo com ele. Outro supeito ainda não foi achado.




O delegado Diógenes Fernandes, responsável pelas investigações da morte do padre Pedro Gomes da Silva, na cidade de Borborema, no Brejo paraibano, informou que o jovem de 15 anos, detido como suspeito do crime, apresentou nova versão sobre o porquê teria assassinado o religioso. A Polícia Civil já desconfiava das informações apresentadas no primeiro depoimento do acusado, pois haviam controvérsias no que foi dito pelo rapaz.

De acordo com delegado, o rapaz disse em depoimento que ele e o outro suspeito, um jovem de 18 anos, sabiam que na residência do padre havia um cofre, onde estaria o dinheiro da paróquia e por isso os dois pretendiam roubar esse valor. Na primeira versão, o adolescente tinha dito que havia cometido o crime  porque o padre tentou fazer sexo com ele. “Um dos acusados desconfiava que havia uma grande quantia em dinheiro, e após consumarem a morte eles abriram o cofre, mas não encontram o valor que pensavam e e decidiram fugir sem levar nada”, disse.

Ainda segundo Diógenes, essas novas revelações apresentadas pelo adolescente para crime conferem com uma evidência encontrada no dia dos exames de perícia na casa do padre. Durante a coleta de provas, o Instituto de Polícia Científica (IPC) recolheu uma quantia de R$ 8 mil na casa do padre.

O adolescente, apreendido na terça-feira (29), passou por audiência e foi encaminhado para uma unidade socioeducativa. O outro suspeito, identificado como Lucas, de 18 anos, que já teria sido coroinha na paróquia, ainda está foragido.

O padre Pedro Gomes Bezerra foi encontrado morto no dia 24, dentro de casa paroquial, em Borborema. O sacerdote foi assassinado com pelo menos 29 facadas, segundo a perícia. A residência do religioso estava revirada e o carro dele não estava na garagem, mas não havia sinais de arrombamento.