Vida Urbana


Equipes finalistas do Hackfest são premiadas nesta sexta-feira

Com os aplicativos a população poderá acompanhar os gastos dos políticos além de outras funções.




Tiago Bernardino
Tiago Bernardino
Aplicativos desenvolvidos ficaram disponíveis para a sociedade

Acompanhar o perfil, atuação e gastos de políticos, detectar e denunciar irregularidades em obras públicas, fazer queixas sobre os serviços públicos de saúde entre diversas outras ferramentas vão estar disponíveis para a população em breve. Nesta sexta-feira (18) os dez aplicativos selecionados na primeira fase do Hackfest Contra a Corrupção serão apresentados a sociedade no Centro Cultural Ariano Suassuna do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB).

Durante o evento além da apresentação e premiação das equipes finalistas da edição 2017 da maratona de programação ocorrerá oficinas e uma feira para a apresentação dos serviços de diversos órgãos públicos. Todas as atividades, desta segunda fase do Hackfest, são gratuitas e abertas ao público. Para participar das oficinas basta realizar a inscrição no local do evento.

Na primeira fase da terceira edição do Hackfest Contra a Corrupção, promovido pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) entre os dias 9 e 11 de junho no Espaço Cultural, em João Pessoa, foram selecionadas dez equipes vencedoras da maratona. As esquipes vencedoras foram Quebra-Câmara-Quebra-Senado, SouFiscal, Meudeputado.com, Geração Limpa, Minha Cidade, Vidinha de Balada, PaCiente, Folha Limpa, BoBot e Caça Fantasmas. Todos os aplicativos vão estar disponíveis para a sociedade através do EuFiscal.

De acordo com o regulamento do HackFest 2017, serão premiadas até dez equipes, sendo três com medalhas de ouro, três com medalhas de prata e quatro com medalhas de bronze. As equipes vencedoras com medalha de ouro receberão um prêmio de R$ 10 mil cada uma; as com medalha de prata terão cada uma a premiação de R$ 6 mil; e as com medalha de bronze serão agraciadas com R$ 3 mil.

Os prêmios em dinheiro serão pagos por meio do convênio estabelecido entre a Controladoria Geral da União (CGU) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), devendo ser divididos igualmente entre os integrantes das equipes e entregues conforme cronograma do evento.

Programação da segunda fase do 3º Hackfest Contra a Corrupção

  • 09h00 às 12h:00:

Espaço Criança
Feira Contra a Corrupção
Exposição do softwares finalistas do Hackfest
Oficina 1 – Para que serve lavar dinheiro?
Oficina 2 – A Tecnologia da Informação do TCE/PB no Combate à Corrupção
Oficina 3 - Cidadania e Ativismo

  • 12h00 às 14h:00:

Feira Contra a Corrupção
Exposição do softwares finalistas do Hackfest

  • 14h00 às 16h:00:

Feira Contra a Corrupção
Exposição do softwares finalistas do Hackfest
Oficina 4 - Receita Federal - Canais de Atendimento e Serviços
Disponibilizados na Internet
Oficina 5 – Transparência e Dados Abertos do Estado da Paraíba
Oficina 6 - Governança e Transparência pública

  • 16h00 às 18h:00:

Premiação das equipes vencedoras do HackFest.

Hackfest

O ‘HackFest Contra a Corrupção’ é uma maratona hacker de programação que pretende, por meio do desenvolvimento de soluções tecnológicas, envolver a sociedade no combate à corrupção. Programadores, estudantes e profissionais ligados ao desenvolvimento de softwares, e também das áreas de Direito, Administração, Gestão Pública, Design e Arte/Mídia estiveram reunidos em 17 equipes entre dias 9 e 11 de junho, desenvolvendo softwares e apresentando ideias para futuros aplicativos que ficarão à disposição da sociedade.

A Comissão Organizadora do HackFest é composta por Octávio Celson Gondim Paulo Neto (promotor de Justiça do MPPB), Gabriel Aragão Wright (Controladoria Geral da União – Regional Paraíba), Fábio Oliveira Guerra (Tribunal de Contas da Paraíba), Marcos Vinícius Ferreira Cesário (Ministério Público da Paraíba) e Inez Cândido Borges da Silva Leite (Ministério Público da Paraíba).

A terceira edição do HackFest é realizado pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), pela Rede Paraíba de Comunicação, Controladoria Geral da União (CGU), Tribunal de Contas do Estado (TCE), Centro Universitário de João Pessoa (Unipê), Labortório Analytics da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Governo da Paraíba, Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), a Associação Paraibana do Ministério Público (APMP-PB), o Instituto Não Aceito Corrupção, Associação dos Servidores da Procuradoria Geral de Justiça do Estado da Paraíba (ASMP-PB), Associação dos Servidores do Ministério Público da Paraíba (SINDSEMP-PB), Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Tribunal de Contas da União (TCU), Associação Nacional para Inclusão Digital (Anid), universidade Federal da Paraíba (UFPB), Contas Abertas, Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas da Paraíba (Sebrae), Instituto dos Auditores Internos do Brasil (IIA Brasil), SaferNet, Instituto de Educação Superior da Paraíba (IESP), Operação Serenata de Amor, Transparência Internacional, Controladoria Geral do Município de João Pessoa (CGM), Associação Nacional dos Auditores de Controle Externo dos Tribunais de Contas do Brasil, Sindicato dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (SindContas), Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB), Controladoria Geral do Estado (CGE), SomaBrasil, Exército Brasileiro e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).