Vida Urbana


Facção criminosa lucrou R$ 65 milhões com o tráfico de drogas

Grupo que comandava tráfico na Paraíba foi desmantelado na quinta-feira durante operação da Polícia Federal.




Os lucros da facção criminosa desmantelada durante a Operação Gerônimo, realizada na última quinta-feira (28), podem chegar a R$ 65 milhões, de acordo com as investigações da Polícia Federal. O grupo comandava o tráfico de drogas na Paraíba e, conforme a PF, também tinha negócios em outros estados.

Em decisão assinada pela juíza titular da Vara de Entorpecentes da Comarca da Capital de João Pessoa, Michelini de Oliveira Dantas, foram bloqueados os valores em contas bancárias de setenta e cinco pessoas que, segundo as investigações, estavam envolvidas com a movimentação do dinheiro proveniente do tráfico de drogas.

Conforme a polícia, foram bloqueados um total de R$ 64.869.208 das contas correntes dos membros da organização criminosa. A facção utilizava contas de empresas para lavar o dinheiro - em uma das empresas investigadas, foi encontrado o valor de R$ 5,5 milhões advindo da venda de drogas.

Grupo era liderado por paraibano preso no Mato Grosso do Sul

O paraibano André Quirino da Silva, mais conhecido como 'Fão', preso em um presídio federal no Mato Grosso do Sul, foi identificado como líder da organização. Mesmo preso, ele continuava atuando com o auxílio de familiares e advogados e matinha uma espécie de conselho deliberativo do tráfico que chamavam de 'Torre'.

Segundo o delegado responsável pelas investigações, Bruno Rodrigues, a 'Torre' era formada por 10 pessoas e teria como finalidade resolver questões menores como brigas internar entre as facções e pontos de tráfico de drogas. “Maiores decisões eram tomadas pelo líder mesmo, que tinha a palavra final”, afirmou o delegado.

Prisões

A Operação Gerônimo, que envolveu cerca de 120 policiais federais nos estados da Paraíba, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Rondônia, visa cumprir 86 mandados, sendo 31 de prisão preventiva, 36 de busca e apreensão e 19 de condução coercitiva, além de ordens judiciais de bloqueio de valores depositados em contas correntes. As ordens foram emitidas pela Vara de Entorpecentes da Comarca de João Pessoa.

Na Paraíba, foram presas 14 pessoas que estavam fora do sistema prisional, a maioria paraibanos. Também foram levadas em condução coercitiva pessoas associadas que servem como meios de comunicação entre os presos e os traficantes do lado de fora e também pessoas que serviam como “laranja” e que cuidavam da situação financeira do grupo.