Vida Urbana


Motoristas de CG protestam contra aumento de combustíveis e cobram fiscalização

Mobilização reuniu um grupo de pelo menos 50 motoristas.




Divulgação
Divulgação
Motoristas abasteceram veículos no valor de R$ 0,50

Um grupo formado por pelo menos 50 motoristas se reuniram nesta quinta-feira (27) na cidade Campina Grande em protesto contra o reajuste sobre o imposto cobrado no preço de combustíveis laçando recentemente pelo Governo Federal. A mobilização também teve por objetivo chamar a atenção dos órgãos de controle para o trabalho de fiscalização na cidade.
 
A concentração do protesto ocorreu na Rua Almirante Barroso, no bairro Liberdade, onde uma longa fila de veículos foi formada no local. Em seguida, os motoristas solicitaram o abastecimento dos veículos em um posto de combustível, com a emissão de notas fiscais separadas no valor de R$ 050. 
 
De acordo com um dos organizadores do protesto, o motorista Eduardo Brandão, de 33 anos, a ideia foi mobilizar a população e chamar atenção dos órgãos de controle e autoridades para os preços de combustíveis cobrado pelos postos. “Inicialmente criamos um grupo virtual, depois marcamos uma reunião e combinamos de realizar hoje o protesto contra o reajuste sobre os preços de combustíveis. O valor que pagamos em Campina Grande é muito alto”, disse.
 
Eduardo Brandão disse ainda que um novo protesto deve ser marcado para próxima semana na cidade. Ele também comentou que a mobilização não tem intenção prejudicar os postos de combustíveis, mas o preço cobrado devido o reajuste. 
 
Durante o protesto, o Procon de Campina Grande foi acionado e uma equipe de fiscalização esteve no local para realizar os procedimentos comuns de observação. 
 
O coordenador do órgão, Rivaldo Rodrigues, acompanhou a mobilização e disse que o reajuste sobre os preços de combustíveis está sendo fiscalizado. “Estamos fazendo nossa parte e fiscalizando desde a última semana os postos de combustíveis. O preço observado até o momento está normal, mas existe evidentemente uma necessidade de estabilização em questão do reajuste”, ressaltou.