Vida Urbana


Procon autoriza doação de refrigerantes vencidos para instituição de caridade

Segundo coordenador do órgão, mesmo fora da validade, os produtos podem ser consumidos.




Divulgação
Divulgação
Próprio coordenador, em próprio ofício destinado ao instituto, reconhece que os produtos estão fora da validade

Uma doação de 521 unidades de refrigerante, recolhidos em fiscalizações por estarem fora do prazo de validade, foi autorizada pelo Procon Municipal de Campina Grande para o Instituto São Vicente de Paula. A doação foi autorizada nesta terça-feira (25) por meio de um ofício assinado pelo coordenador do órgão, Rivaldo Rodrigues. Segundo ele, mesmo fora da validade, os produtos podem ser consumidos.

Entre os itens doados estão 510 unidades de refrigerante de 250 ml, sendo 15 sabor cola, 480 de guaraná e 15 de laranja; além de 4 unidades de refrigerante de cola de 2 litros e 7 unidades de refrigerante sabor limão de 1 litro. O próprio coordenador, em próprio ofício destinado ao instituto, reconhece que os produtos estão fora da validade.

“Geralmente o produto é apreendido e passa 10 dias a disposição para que o dono do estabelecimento recorra. Mas, passados uns 20 dias, a gente encaminha para doação. Os que ainda podem ser consumidos a gente manda para instituições carentes. Já aqueles perecíveis ou estragados são doados para o centro de zoonoses para serem triturados e alimentar animais”, afirmou o coordenador do Procon.

Rivaldo ainda ressaltou que o órgão analisa os produtos, abrindo as embalagens e observando se os refrigerantes ainda apresentam gás. "Se estiver na forma gasosa ele ainda está bom para consumo, tendo em vista que não é perecível e que não causa mal a saúde. Se não tiver o gás, ele vai ter um gosto adocicado e estranho. Aí não pode ser doado. Não estando, não causa nenhum mal”, disse ele.

Conforme o Centro Toxicológico (Ceatox) do Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, não é recomendado o consumo de nenhum produto que esteja fora do prazo de validade ou que não esteja nas condições de armazenamentos indicadas pelo fabricante. No caso do refrigerante, o risco depende do tempo fora do prazo e dos ingredientes usados.