Vida Urbana

Trauma de João Pessoa registra alta de 47% em acidentes com crianças

Férias favorecem acidentes com crianças; quedas são o principal registro. 




Francisco França
Francisco França
Principais casos, de acordo com o hospital, são as quedas, que lideram o ranking com 458 casos

O Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa já registrou 811 casos de acidentes com crianças durante os meses de junho e julho. O número é 47% maior do que no ano passado, quando foram registrados 550 acidentes com crianças no período das férias. De acordo com os números da unidade, só na primeira quinzena de julho, 249 crianças foram vítimas de acidentes domésticos.

Os números foram divulgados pela unidade de saúde na última segunda-feira (17) com um alerta aos pais, por conta do período de férias escolares combinado com os dias chuvosos e tempo ocioso na rotina das crianças.

Os principais casos, de acordo com o hospital, são as quedas, que lideram o ranking com 458 casos registrados. Em seguida aparecem a ingestão de corpos estranhos (moedas, peças de brinquedos e objetos menores) com 164 casos. As pancadas somam 67 casos, as queimaduras chegaram aos 31 casos, os atropelamentos somam 22 atendimentos, quedas de bicicleta foram 24 casos até agora, os cortes somam 5 atendimentos e outros 3 casos são de choque elétrico. 

O coordenador da pediatria do Hospital de Trauma, Fabiano Alexandria, destaca algumas situações de risco. “Nas áreas de serviços das casas é onde ocorrem os principais acidentes, como por exemplo, baldes com água, tanque, tomadas desencapadas e produtos químicos, principalmente com crianças entre 2 a 4 anos”, frisou.

Com relação às queimaduras, as mais comuns atendidas no Trauma são provocadas por líquido em alta temperatura que já somam 74 neste período de férias, seguidos de acidentes com fogo que chegam a 13 casos. Ainda foram registrados 12 queimaduras provocadas por fogos de artifício e outras 13 por contato com objeto quente. 

“É preciso ter atenção ao utilizar o forno, que fica na altura dos olhos das crianças, e com panelas, frigideiras, cafeteiras e tudo que fica sobre o fogão. Utilizar as bocas de trás e manter o cabo dos utensílios para dentro, não para fora do fogão, é um primeiro passo para atenuar eventuais problemas”, alertou o cirurgião plástico da unidade, Saulo Montenegro. 

Traumas e fraturas em braços e pernas também são bastante comuns. Boa parte das contusões e fraturas sofridas por crianças ocorrem dentro de casa. De acordo com Umberto Jansen, coordenador da ortopedia do Trauma, a fratura mais comum em crianças é no antebraço, principalmente o punho e também na perna.