Vida Urbana


Projeto 'Chega Junto' vai ajudar moradores de rua e usuário de drogas

Pessoas em situação de vulnerabilidade terão chance de recompor a vida. 




A Prefeitura de João Pessoa lançou nesta segunda-feira (10) o programa 'Chega Junto', que visa à ressocialização de pessoa em situação de alta vulnerabilidade social usuária de drogas. O objetivo, segundo o prefeito Luciano Cartaxo (PSD), é contribuir para a inserção social de usuários de drogas e moradores de rua com ações intersetoriais de promoção da cidadania, através da qualificação, trabalho, geração de renda, esporte, cultura e lazer.

O lançamento do programa aconteceu na unidade de moradia assistida no bairro Portal do Sol, onde serão abrigados os beneficiários do programa. O investimento para o programa é de R$ 800 mil, e conta com parceria do Ministério da Justiça do Governo Federal, através da Secretaria Nacional de Políticas Públicas para Drogas (Senad-MJ) e com o apoio técnico da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/MS).

Dentro do projeto, que será coordenado pela Secretaria Municipal de Segurança Urbana e Cidadania (Semusb), 30 pessoas passarão por um período de 12 meses nesta casa, onde serão oferecidas refeições diárias e assistência básica, além de prática de atividades esportivas e de lazer e os cursos profissionalizantes e de capacitação.

“O trabalho envolve dez secretarias com esse compromisso de resgatar as pessoas, dar qualidade de vida e ajudá-las. Para oferecer uma vida melhor na nossa cidade, precisamos cuidar das pessoas e estamos fazendo isso não através da força, mas sim dando oportunidades para que elas melhorem suas vidas. Nós não tratamos de usuários de drogas, tratamos de seres humanos que merecem todo o cuidado e dedicação de nossa gestão”, afirmou Luciano Cartaxo.

Pioneira

João Pessoa está entre os 16 municípios do País que está implantando o projeto com incentivo do Governo Federal, mas, segundo o secretário Municipal de Segurança Urbana e Cidadania, Geraldo Amorim, é a única destas cidades em que a Prefeitura assumiu a gestão do projeto, enquanto que nas demais, ele foi terceirizado para empresas privadas ou Organizações Não Governamentais (ONGs). 

O trabalho contará com o apoio das equipes do Consultório de Rua, Centro Pop, Ruartes e Guarda Municipal, que identificarão os possíveis beneficiários para encaminhá-los ao projeto.

“O projeto está incluído no Plano Municipal de Políticas contra Drogas, construído pela Semusb, e é dedicado às pessoas de alta vulnerabilidade social moradores de rua que fazem uso de álcool e drogas. É a primeira vez que uma gestão tem um olhar humanitário para estas pessoas. Os governos e outras instituições chegam lá para reprimir, para tirar eles do local e nós não. Vamos oferecer moradia, alimentação, capacitação profissional dar dignidade a eles. Esse é o foco principal do projeto”, disse o secretário.

Projeto

A PMJP contratou seis ‘agentes redutores de danos’ e o coordenador da Unidade de moradia, Márcio de Paula. Esses profissionais serão os responsáveis pela triagem das pessoas em situação de rua que integrarão o projeto. Uma vez que essas pessoas venham a aderir ao programa, elas participarão dos cursos profissionalizantes e receberão uma bolsa no valor de R$300 mensais, com o incentivo voltado para o trabalho e geração de renda.