Vida Urbana


Trio suspeito de estelionato ostentava em rede social com viagens, festas e bebidas

Operação investigava grupo há dois anos. Churrascos e aparelhos eletrônicos também eram publicados.




Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram
Bebidas e churrascos eram registradas por esposa de suposto líder da quadrilha

O grupo criminoso especializado em estelionato envolvendo cartões de crédito preso na manhã desta terça-feira (20) durante a Operação Signa tinha lucro mensal de pelo menos R$ 50 mil reais e cada vítima de suas condutas sofria o prejuízo médio de R$ 10 mil. Segundo a Delegacia de Defraudações da Polícia Civil, os principais líderes da quadrilha demonstram um padrão de vida de ostentação - que inclusive chegava a ser compartilhado nas redes sociais

Para lavar o dinheiro desviado através dos golpes, os integrantes chegaram a abrir pequenos comércios nas cidades de Parnamirim, no Rio Grande do Norte e Rio Tinto, na região metropolitana de João Pessoa, para negociar os produtos adquiridos com as condutas criminosas.

Na cidade potiguar a empresa usada para lavar dinheiro é uma loja de moda, especializada em roupas e variedades. Um anúncio da marca nas redes sociais destaca o recebimento de "cartões de crédito e pagamentos em até seis vezes".

Com eles ainda foram apreendidos quatro veículos utilizados pela quadrilha, avaliados em aproximadamente R$ 200 mil. Conforme relatório da investigação, divulgado pela Polícia Civil, suspeitos "demonstram um padrão de vida de ostentação".

Em publicações em uma rede social, a esposa de um dos suspostos líderes, que reside em Parnamirim, publicava presentes do marido, fotos de viagens, festas, bebidas e churrascos. "Aí sim, hein" e "Aí a farra é boa" são comentários visualizados em algumas publicações. Esposa também agradece smartphone recebido como presente de seu marido.

Confira imagens publicadas em rede social que demostram 'padrão de vida de ostentação' destacado pela polícia: