Vida Urbana


Hackfest 2017: evento segue neste sábado com painéis e oficinas sobre combate à corrupção

Maior maratona hacker do Brasil segue até este domingo (11)




Tiago Bernardino
Tiago Bernardino
Maior maratona hacker do Brasil tem favorecido a troca de experiências. Foto: Tiago Bernardino

O HackFest 2017, a maior maratona hacker do Brasil, continua no Espaço Cultural José Lins do Rego em João Pessoa. O segundo painel do evento, neste sábado (10), contou com palestras de nomes de reconhecidos internacional na área da tecnologia. Além dos maratonistas, o evento contou com uma participação especial de crianças atendidas por uma fundação da capital.

O evento, promovido pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) em parceria com a Controladoria Geral da União (CGU), Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Rede Paraíba de Comunicação e mais de 20 outros órgãos e instituições, tem como tema 'Tecnologia, Transparência e Cidadania'.

 
O painel de abertura das atividades do segundo dia do HackFest 2017 teve a apresentação do presidente do conselho do Porto Digital Parque Tecnológico, do Recife, Silvio Meira, que falou da importância da criação de ferramentas que facilitem o acesso da população aos dados públicos. A segunda palestra foi do criador da Operação Serenata de Amor, Irio Musskof, que falou de sua experiência com o robô que audita as contas das verbas indenizatórias dos parlamentares da Câmara Federal e do Senado Federal.
 
Ainda no painel houve a participação do secretário de gestão de informação do Tribunal de Contas da União (TCU), Wesley Vaz, que falou sobre a necessidade de que os dados públicos, além de ser estar disponíveis para a população, também sejam acessíveis ao público. Terminando as apresentações do painel o membro do Code For Brasil, Stephan Garcia, falou um pouco de sua história e a sua relação com a programação e com as maratonas hacker que ele organiza por todo o país.
 
 'Tecnologia, Transparência e Cidadania' é o foco dos debates dos especialistas. Foto: Tiago Bernardino
 
 
Crianças 
 
O segundo dia do HackFest contra a corrupção foi também marcado pela presença das crianças atendidas pela Fundação São Padre Pio de Pietrelcina, que fica em João Pessoa e atende a crianças em situação de risco social. As crianças foram convidadas a participar do evento a convite da organização.
 
Segundo a cuidadora da Fundação, Amanda Costa, as crianças estão gostando muito e está sendo muito enriquecedor para as crianças. "A palestra que eles assistiram falava muito sobre a questão da profissionalização da importancia de aproveitar o tempo para se dedicar aos estudos para fazer uma faculdade. como são crianças e adolescentes que vieram de uma realidade em que praticamente perderam os sonhos, porque são crianças que vieram de uma situação de vulnerabilidade social, que estão afastadas de suas famílias", disse.
 
Nave 
 
Paralelo aos paines e às oficinas, na 'Nave Principal', 17 equipes estão envolvidas no planejamento e execução de seus projetos de ferramentas ou aplicativos que possam facilitar o acesso da população aos dados públicos. O trabalho desenvolvido pelos maratonistas serão apresentados no encerramento da primeira etapa do HackFest 2017, neste domingo (11).
 
Programação
 
Até lá o evento conta com diversas programações que ainda estão com as inscrições abertas. A partir das 14h deste sábado (10), acontece o Painel 2, intitulado de "O Direito na Gestão Pública e no Combate à Corrupção", que será ministrado por Affonso Guizzo Neto, Carlos Ragazzo, Júlio Marcelo e Roberto Liviannu. E a noite acontece o painel 3, que tem como tema a "Transparência Pública", e acontece das 19h às 21h30, no Teatro Paulo Pontes, e conta com as palestras de Gil Castelo Branco, Nicole Verillo, Marlon Reis e Fábio George.
 
Trabalho no desenvolvimento de novas ferramentas de combate à corrupção. Foto: Tiago Bernardino. 
 
Na tarde deste sábado (11) ainda acontece mais três oficinas:  na Sala 1, a Oficina 4 abordará a “Lei de Acesso à Informação: como usar, como implementar”, com o facilitador Abelardo Lopes; na Sala 2, a Oficina 5 trará o debate sobre a “Integridade empresarial”, com os facilitadores João Peixoto Neto e Luana Almeida; e na Sala 3, a Oficina 6 vai debater o tema sobre “Cidadania e controle social: como transformar a realidade em nossas cidades”, com os facilitadores Caio Henrique, Henrique França, Karine Oliveira, Maria Júlia Wotzik e Sérgio Aires.
 
O ciclo de oficinas encerrará no domingo (11) com duas atividades. Às 9h30, na Sala 1, a Oficina 7 terá como tema a “Transparência pública e controle da corrupção”. Os facilitadores são Andréa Nunes, Gustavo Rabay e Fabiano Emídio. Também começando às 9h30, Oficina 8 acontecerá na Sala 2 com o tema “Metodologia hackfest”.
 
Etapas
 
A 3ª Edição do Hackfest Contra a Corrupção vai ter duas etapas. A primeira delas, que começa nesta sexta-feira (9) até o domingo (11), acontece no Espaço Cultural José Lins do Rego, localizado na Rua Abdias Gomes de Almeida, 800, no Bairro de Tamabuzinho em João Pessoa. Nesta primeira etapa acontece os eventos de desenvolvimento de softwares (evento máster) e fomento à cidadania (eventos satélites).
 
Durante a primeira etapa a comissão julgadora composta por 13 integrantes do MPPB, da CGU, do TCE-PB, da UFCG, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), do Centro Universitário de João Pessoa (Unipê), do Instituto de Educação Superior da Paraíba (IESP), do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), escolherá os melhores aplicativos e softwares desenvolvidos na maratona.
 
A segunda etapa acontece no dia 18 de agosto, com a realização do evento para a entrega da premiação e disponibilização à sociedade dos melhores softwares desenvolvidos, programada para o Centro Cultural Ariano Suassuna, localizado no Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), também em João Pessoa.
 
Mais de 20 parceiros se uniram ao MPPB para realizar Hackfest deste ano. Foto: Tiago Bernardino.
 
Organização e Parceria
 
A Comissão Organizadora do HackFest é composta por Octávio Celson Gondim Paulo Neto (promotor de Justiça do MPPB), Gabriel Aragão Wright (Controladoria Geral da União – Regional Paraíba), Fábio Oliveira Guerra (Tribunal de Contas da Paraíba), Marcos Vinícius Ferreira Cesário (Ministério Público da Paraíba) e Inez Cândido Borges da Silva Leite (Ministério Público da Paraíba).
 
A terceira edição do HackFest é realizado pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), pela Rede Paraíba de Comunicação, Controladoria Geral da União (CGU), Tribunal de Contas do Estado (TCE), Centro Universitário de João Pessoa (Unipê), Labortório Analytics da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Governo da Paraíba, Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), a Associação Paraibana do Ministério Público (APMP-PB), o Instituto Não Aceito Corrupção, Associação dos Servidores da Procuradoria Geral de Justiça do Estado da Paraíba (ASMP-PB), Associação dos Servidores do Ministério Público da Paraíba (SINDSEMP-PB), Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Tribunal de Contas da União (TCU), Associação Nacional para Inclusão Digital (Anid), universidade Federal da Paraíba (UFPB), Contas Abertas, Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas da Paraíba (Sebrae), Instituto dos Auditores Internos do Brasil (IIA Brasil), SaferNet, Instituto de Educação Superior da Paraíba (IESP), Operação Serenata de Amor, Transparência Internacional, Controladoria Geral do Município de João Pessoa (CGM), Associação Nacional dos Auditores de Controle Externo dos Tribunais de Contas do Brasil, Sindicato dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (SindContas), Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB), Controladoria Geral do Estado (CGE), SomaBrasil, Exército Brasileiro e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).