Vida Urbana

Agente da PRF foragido da 2ª fase da Operação Gabarito se entrega à polícia

Ele é apontado como um dos líderes da quadrilha que fraudava concursos. 




Reprodução/TV Cabo Branco
Reprodução/TV Cabo Branco
Segundo o delegado Lucas Sá, agente da PRF é terceiro na linha de comando e recebia 25% dos lucros

O agente da Polícia Rodoviária Federal Marcus Vinicius Pimentel, um dos foragidos da segunda fase da Operação Gabarito, se apresentou à Justiça no início da noite desta terça-feira (16).

Conforme a Polícia Civil, que está por trás da operação, o suspeito seria um dos líderes de uma quadrilha responsável por fraudes em concursos públicos e vestibulares no Nordeste. 

“Ele consta como aprovado em vários concursos, conseguiu aprovar vários parentes. Pela divisão de lucros da quadrilha, que nós tivemos acesso, ele é o terceiro mais beneficiado”, afirmou o titular da Delegacia de Defraudações da capital, Lucas Sá.

Marcos se apresentou, com advogados, na 4ª Vara Criminal, em João Pessoa, presidida pela juíza Lua Yamaoka Mariz Maia Pitanga. Ele foi encaminhado para a Central de Polícia, onde será interrogado pela equipe da Delegacia de Defraudações.

O delegado Lucas Sá estima que 70 certames podem ter sido fraudados pela quadrilha. Ao longo dos últimos 12 anos, o montante movimentado gira em torno de R$ 21 milhões. Pelo menos 15 suspeitos com prisão decretada permanecem foragidos.

Fraudadores terão que devolver salários

Os servidores aprovados em concursos públicos por meios fraudulentos terão que devolver os salários recebidos. Os casos denunciados no bojo da Operação Gabarito estão sendo acompanhados pelo Ministério Público.

O coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Octávio Paulo Neto, explicou que o objetivo é buscar a responsabilização criminal dos responsáveis e também o ressarcimento do dano ao erário. Ao todo, 70 pessoas são investigadas diretamente na promoção das fraudes e o número de beneficiados com o esquema pode chegar a 500.