Vida Urbana


Saúde elabora plano para reforçar ações contra Aedes aegypti

Novo Plano de Contingência foi publicado no Diário Oficial desta terça-feira (11).




Divulgação
Divulgação
Plano foi construído com o objetivo geral de preparar a rede de saúde nas ações de vigilância e assistência

O Plano de Contingência para Prevenção, Controle e Monitoramento de Epidemias das Arboviroses (Dengue, Chikungunya e Zika Vírus) atualizado foi publicado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) da Paraíba no Diário Oficial desta terça-feira (11).

De acordo com a publicação, o plano foi construído com o objetivo geral de preparar a rede de saúde nas ações de vigilância e assistência à saúde, onde estão definidas as responsabilidades e direcionamentos para atender as situações de emergência relacionadas às Arboviroses, abrangendo todos os componentes necessários para uma boa resposta e melhor resolutividade aos casos suspeitos.

Os objetivos do plano são: intensificar as ações de prevenção e controle do Aedes aegypti e Aedes albopictus no Estado; promover assistência adequada ao paciente com suspeita de Dengue, Chikungunya e Zika; apoiar as ações de vigilância epidemiológica e ambiental nos municípios; aprimorar a análise da situação epidemiológica e da organização da rede de atenção; para orientar a tomada de decisão dos gestores municipais; fortalecer e sistematizar as atividades de mobilização de forma intersetorial e interinstitucional; fortalecer a rede laboratorial para diagnóstico das doenças transmitidas pelo mosquito.

Algumas atribuições do poder público estadual também foram oficializadas. Atividades como produzir informes com periodicidade (Boletim epidemiológico e/ou nota técnica) sobre a situação epidemiológica da Dengue, zika e chikungunya para as Secretárias Municipais, com divulgação na mídia local, reproduzir e distribuir o fl uxograma e as diretrizes clínicas para aos serviços de saúde públicos e privados, monitorar e avaliar o fl uxo assistencial objetivando garantir a referência e contra-referência dos pacientes com casos graves por Arboviroses, elaborar material educativo (panfletos, cartazes, banners, faixas, mídias e etc.), avaliar a curva endêmica do estado por meio do diagrama de Controle da Dengue, zika e chikungunya, manter os serviços atualizados referentes aos guias, portarias, cadernos, fluxogramas, notas técnicas e protocolos produzidos e recomendados pelo Nível Federal.

Confira o Plano de Contingência para Prevenção, Controle e Monitoramento de Epidemias das Arboviroses completo no Diário Oficial.

Sobre dengue, chikungunya e Zika
As doenças causadas por arboviroses ocorrem geralmente sob a forma de epidemia e são semelhantes uns aos outros na sua expressão clínica. A dengue é uma doença viral transmitida por mosquitos com maior presença nas Américas e com mais suspeição em pacientes que apresentem febre. Porém, com a introdução de dois novos arbovírus (vírus chikungunya no f nal de 2013 e do vírus Zika em 2014) criou um novo desafio para a saúde pública nas Américas.

O quadro clínico apresentado em pacientes com um dos três arbovírus (dengue, chikungunya e zika) são muito parecidos, sobretudo durante a fase aguda (os primeiros dias da doença), dificultando o diagnóstico clínico por profissionais de saúde, criando assim, dificuldades para o manejo clínico adequado, que geram agravantes que podem ser fatais.