Vida Urbana


Comissão registra cerca de 60 mortes de animais na UFPB por envenenamento neste ano

Registros são do dia 1º de janeiro até esta segunda (20); universidade afirma que está investigando casos. 




Divulgação/UFPB
Divulgação/UFPB
De acordo com vice-presidente de comissão, maioria das mortes acontece no prédio do CCTA, em João Pessoa

Cerca de 60 animais foram encontrados mortos por envenenamento desde o dia 1º de janeiro deste ano até esta segunda-feira (20) na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), no campus de João Pessoa. A informação foi divulgada pela Comissão de Direito e Bem-Estar Animal e Enfrentamento do Problema de Abandono de Animais Domésticos nos Campi da UFPB (CDBA).

De acordo com o vice-presidente da CDBA, Francisco José Garcia, a maioria das mortes, que envolve gatos, foi registrada no período do Carnaval no prédio do Centro de Comunicação, Turismo e Artes (CCTA). "Mesmo durante os feriados prolongados, os protetores que fazem parte da comissão vão alimentar os animais e, chegando lá, algumas dessas pessoas deram de cara com quase 18 animais de início. Depois foram aparecendo mais", conta.

Conforme Garcia, a comissão já tem laudos técnicos expedidos por um veterinário atestando que os animais morreram por ingestão de um veneno popularmente usado para matar ratos, conhecido como chumbinho.

"Já fomos à delegacia, levamos as provas e o delegado já abriu o inquérito para apurar isso", disse Garcia, ressaltando que a comissão também já divulgou na internet uma petição pública para que a população assine com o objetivo de solicitar políticas públicas internas dentro da própria universidade, visando a diminuir esses problemas.

"A gente já teve uma reunião com a vice reitora e vamos viabilizar essa campanha para no máximo a próxima semana. Porque todos os dias abandonam animais por lá e todos os dias animais são mortos", menciona.

Posicionamento da UFPB

Em nota, a UFPB afirmou que "providenciou que dois dos animais mortos fossem levados Hospital Veterinário do Centro de Ciências Agrárias (CCA), localizado no campus de Areia, para autópsia".

A UFPB ainda ressaltou que "os laudos serão encaminhados ao diretor do CCTA, José David Campos Fernandes", e ao presidente da CDBA, Jaílson José Gomes da Rocha. O objetivo é que sejam tomadas providências e para a elaboração de um dossiê sobre os casos.

"A administração superior da UFPB informa que já providenciou reforço na vigilância e que o sistema de câmeras de segurança estará, em breve, funcionando regularmente em todo o campus I. Reitera, por fim, seu compromisso com a defesa dos direitos dos animais, repudiando os crimes ambientais de abandono, maus-tratos e violência", finaliza a nota.