Vida Urbana

Mais de 80 roubos a pessoa foram registrados este ano em Campina Grande

Apesar da quantidade, número é 77,5% menor do que o registrado no mesmo período de 2016. 




O que era para ser mais um dia comum para o estudante Alisson Sousa acabou o mais traumático de sua vida. No caminho para a faculdade, na sexta-feira (17), Alisson foi abordado por dois homens armados, que estavam em uma moto e o assaltaram. “Eles pegaram minha mochila e quando já iam embora viram o meu celular no bolso. Nesse momento, o garupa desceu, apontou a arma para minha cabeça e pegou meu telefone”, relatou. Segundo divulgado pelo Centro Integrado de Operações Policias (Ciop), esse ano já foram registrados 81 roubos a pessoa, em Campina Grande.

O estudante não entrou nessas estatísticas porque não registrou Boletim de Ocorrência (BO) nem acionou a Polícia Militar para atender o caso. O assalto ocorreu na Avenida Almirante Barroso, uma das mais movimentadas de Campina Grande, no bairro do São José, e a poucos metros do 2º Batalhão de Polícia Militar. “Eu morei em bairro considerados mais perigosos e jamais imaginaria ser assaltado nessa rua. Não procurei a polícia porque só iria entrar para as estatísticas mesmo”, disse Alisson Sousa.

Ainda de acordo com os dados levantados com exclusividade pelo JORNAL DA PARAÍBA, houve uma redução no número de roubos a pessoa em uma comparação com o mesmo período do ano passado. Em 2016, foram 360 casos, sendo 113 em janeiro, 123 em fevereiro e 124 em março. Os números são 77,5% menores que os registrados esse ano. Em janeiro de 2017 foram 23 roubos, fevereiro 42 e até o dia 20 de março foram contabilizados 16 roubos a pessoa.

Para o comandante do 2ª Batalhão de Polícia Militar, o tenente-coronel Lamarck Donato, a redução nos casos de roubos a pessoa é resultado da intensificação nas abordagens realizadas pela PM e o investimento em policiamento móvel na cidade. “Estamos na expectativa de reduzir ainda mais esses casos. Quando as pessoas não registram, temos dificuldades de encontrar os donos do material roubado quando ele é recuperado” disse acrescentando que as pessoas devem ligar para o 197 para acionar a PM.

O delegado titular da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), Cristiano Santana, lembrou que também é importante que as pessoas procurem a Polícia Civil para registrar o Boletim de Ocorrência e que em 2016 foram realizadas quase 300 prisões de suspeitos de cometer crimes patrimoniais. "Em nosso levantamento, houve uma redução de 29% em crimes patrimoniais. Contudo, crime hoje em Campina Crande demanda uma atenção e gente está ciente de que precisa melhorar” pontuou.

O delegado disse ainda que a DRF realizou uma operação no final do ano e foram recuperados mais de 500 aparelhos celulares e que centenas deles foram entregues aos donos, justamente porque haviam registrado o BO. “Apesar de haver uma descrença da população, os boletins nos ajudam na investigação dos casos. Essa operação, por exemplo, só foi possível depois que analisamos as informações dos registros de roubos”, finalizou