Vida Urbana

Pacientes denunciam falta de insulina em Campina Grande

Portadores de diabetes afirmam ter que comprar medicamento do tratamento.



Pacientes e pais de crianças que são portadores de diabetes denunciam a falta da insulina que é distribuída pelo Governo do Estado da Paraíba e pela Prefeitura de Campina Grande (PMCG). Portadores da doença afirmam que estão sem receber o medicamento há mais de sete meses e que a entrega atrasa constantemente.

Maria Nunes é aposentada e diz que muitas vezes precisa comprar a insulina para o tratamento do filho, acometido de diabetes. “A gente tem que ter dinheiro pra comprar, porque diabético sem insulina morre. O ar que ele respira é a insulina e precisa tomar cinco, seis vezes por dia. Eu venho aqui na esperança de conseguir o medicamento, mas as vezes eu volto para casa sem”, explicou.

A medicação é distribuída de forma gratuita no setor jurídico da Gerência Regional de Saúde do Estado, no bairro do Catolé. Depois de quase sete meses de atraso a insulina chegou essa semana em quantidade insuficiente, segundo os pacientes. “Alegaram o que alegam sempre, que não veio e que não tem previsão de vinda e a gente fica sem saber o que fazer. Eu tenho direito a duas, só recebi uma e vou ter que comprar outra”, disse a paciente Cassandra Lucena.

A gerente regional de saúde, Tatiana Medeiros, confirma que houve atraso apenas de um mêsna insulina da marca Lantus e garantiu que a distribuição será normalizada ainda esse mês. Segundo a gerente, a demanda de pacientes é judicial e aumenta a cada dia o que dificulta o controle da distribuição dos remédios já que o estado não tem recursos específicos para manter um estoque.

“Dependemos de uma demanda flutuante que muda mensalmente, até porque isso não é um programa regular como acontece com o Centro Especializado de Dispensação de Medicamentos Excepcionais (CDMEX), onde há uma programação prevista. No setor jurídico não há essa previsão”, pontuou Tatiana.”

Conforme informou a Secretaria da Saúde do Estado, a responsabilidade de distribuição de insulina é do município, que também está em atraso.

O fiscal de ônibus, Adam David, não recebe as ampolas de insulina pela prefeitura há mais de um mês. “Dizem que fizeram o pedido, mas a gente não pode ficar sem esse medicamento. Quem sofre de diabetes não pode parar o tratamento”, disse.

A Secretaria de Saúde de Campina Grande informou que está tentando solucionar o débito com o fornecedor do medicamento para regularizar a entrega de insulina para os pacientes. A secretaria ainda informou que está enfrentando dificuldade para adquirir os medicamentos o Governo do Estado não está fazendo o repasse para o custeio da farmácia básica