Vida Urbana

Mais de 600 gestantes são diagnosticadas com HIV na PB

Em dez anos, apenas 78 crianças nasceram infectadas. 



Ter o vírus da Aids não impede uma mulher de ter um filho, segundo o Ministério da Saúde. Essa declaração reflete os dados registrados nos últimos dez anos na Paraíba. O número de casos de HIV/Aids diagnosticados em mulheres gestantes no Estado foram 667. Desse total, apenas 78 crianças nasceram com o vírus, de 2007 até hoje. A gerente operacional das DSTs/Aids/Hepatites Virais do Estado, Ivoneide Pereira, informou que se a mulher fizer o tratamento em tempo oportuno na gravidez, a gestante não passa o HIV para o bebê.

Ivoneide ressalta a importância do pré-natal lembrando que a testagem para HIV é recomendada no 1º trimestre. As gestantes que souberem da infecção durante o pré-natal têm indicação de tratamento com os medicamentos para prevenir a transmissão para o feto. Do total (667) de mulheres com o vírus diagnosticadas na Paraíba nesses últimos dez anos, 552 delas fizeram o pré-natal. “Isso reflete a quantidade baixa de bebês que nasceram com o vírus. Por isso a importância desses cuidados na gravidez. Fazendo o diagnóstico precoce na gestante, iniciando o tratamento e seguindo o protocolo, têm grandes chances de o bebê nascer saudável, mais de 90% de chance”, ressaltou.

Neste ano, o Estado registrou o diagnósticos em 50 mulheres gestantes com HIV/Aids. Ivoneide acrescentou informando que devido aos cuidados ainda na gravidez, nenhum bebê nasceu com vírus em 2016. 

Já em relação ao tipo de parto mais indicado para evitar a infecção do bebê pelo HIV vai depender, principalmente do estado de saúde da mãe e do número de vírus circulando no organismo da gestante, informou Ivoneide. O mais indicado é a cesariana eletiva, aquela realizada antes do início do trabalho de parto, sem rompimento da bolsa. 

No entanto, a mãe não pode amamentar o bebê. Com isso, a Secretaria de Estado da Saúde, através da gerência operacional de DST/Aids/hepatites Virais, disponibliza leite em pó para as crianças, onde recebem dez latas por mês até completarem 1 ano. 

“Logo após o parto, essa criança que foi exposta ao vírus deverá ser acompanhada por profissionais médicos e inciar o tratamento com antirretrovirais (xarope) e só depois de completar 2 anos é que deverá ser feito a testagem para saber se ela adquiriru ou não o HIV”, complementou.

 

Números de casos de HIV/Aids por ano diagnosticados na Paraíba em gestantes e crianças:

Ano Gestante Criança

2007   49               9

2008   47                17

2009   37               9

2010   72              20

2011   77             10

2012   83               4

2013   122               1

2014   58               4

2015   72               4

2016   50               0

 

Total   667             78

 

FONTE: Sinan NET, 25/11/2016