Vida Urbana

112 mil brasileiros vivem com HIV e não sabem, diz Ministério da Saúde

Ministério estima que cerca de 827 mil brasileiros estão infectados.



Cerca de 112 mil brasileiros vivem com HIV e não sabem. Os números são do Ministério da Saúde que divulgou, nesta quarta-feira (30), o Boletim Epidemiológico HIV AIDS de 2016. De acordo com o boletim 827 mil brasileiros vivem com o HIV/aids, dstas 455 mil já estão em tratamento.

O Ministério da Saúde, de acordo com o boletim, busca identificar as pessoas que vivem com HIV e tratá-las para reduzir a transmissão de vírus. O Ministérios estima que 827 mil pessoas vivem com HIV/aids. Destas, cerca de 112 mil pessoas vivem com o HIV e não sabem. Das 827 mil pessoas que vivem com HIV/aids, 455 mil estão em tratamento e 372 mil ainda não estão em tratamento. Das 372 mil pessoas, 260 mil já sabem que estão infectadas, mas não recebem tratamento.
 
Detecção em homens e mulheres
 
O público masculino jovem é o mais vuneravel, de acordo com a pesquisa. Em 2006, para cada um caso em mulher, com idade entre 20 e 24 anos, havia 1,2 casos em homem, da mesma faixa etária. Em 2015 essa razão é de 1 caso em mulher para cada 3 casos em homens.
 
Segundo os números apresentados pelo boletim, a infecção cresce em todas as faixas no público masculino jovem. Entre  os homem de 15 a 19 anos a taxa de infeção, em 2005, era de 2,2 casos a cada 100 mil habitantes, em 2015, o número passou para 6,9 detecção por 100 mil habitantes. Na faixa etária entre 20 e 24, os dados apontam que  em 2005 que os números de infecção foi de 16,2 infectados a cada 100 mil habitantes, em 2015, esse número dobrou, passando a ser de 33,1 infectados a cada 100 mil habitantes. Na faixa etária entre 25 e 29 anos, o número de infectados, em 2005, era de 41,4 casos a cada 100 mil habitantes, em 2015, passou a ser de 49,5 casos por 1000 mil habitantes.
 
Já em relação as mulheres jovens houve uma queda no número de infecções. Na faixa etária entre 15 e 19 anos, o número de infectados era de 3,4 a cada 100 mil habitantes, em 2015 passou a ser de 4,1 a cada 100 mil habitantes. Na faixa etária, o número caiu de 15,4 casos a cada habitante, em 2005, passando a ser 11,1 casos em 2015. Na faixa etária entre 25 e 29 anos os números apresentam a maior queda nos números. Em 2005 os casos de infectados era de 32 a cada 100 mil habitantes, já em 2015, o número caiu pela metado, passando a ser 16 a cada 100 miil habitantes.
 
O ministro da Saúde, Ricardo Barros, avaliou que os jovens, de modo geral, não mantêm o hábito de frequentar unidades de saúde. Ele lembrou que o grupo é “de difícil convencimento”, por exemplo, quando o assunto é vacinação. “Eles se acham saudáveis e são mesmo. Mas não sentem que precisam ir ao posto de saúde se proteger”, disse. “Mesmo nas campanhas para vacinação nas escolas, a recusa é muito grande”, completou.
 
Prevenção
 
De acordo com o boletim, em 2015, o Ministério da Saúde investiu R$ 1,5 bilhão nas ações de prevenção, assistência e controle do HIV/aids. Ainda de acordo com o Ministério o Brasil adota desde dezembro de 2013, a prevenção combinada, que permite várias formas de prevenção, que podem ser combinadas ou utilizadas individualmente.
 
A prevenção combinada consiste na testagem regular de HIV, profilacia pós-exposição (PEP), profilaxia pré-exposição (PrEP), testagem no pré-natal, redução de danos, disgnóstico e tratamento das IST, uso de preservativos e tratamento antirretrovial para todas as pessoas.