Vida Urbana

Igreja Batista passa a aceitar casamento de homossexuais

"Quem discordar de nós, apenas pedimos: não odeie as pessoas gays", disse o pastor.



Divulgação
Divulgação
Segundo Manson, ele espera que essa decisão seja o começou de uma grande mudança

Uma igreja decidiu criar uma votação para decidir sobre os direitos de seus fiéis homossexuais. Por 61%, dos 577 votos no total, ficou decidido que os fiéis gays e lésbicas, assim como héteros, tem total direito ao casamento e posições de liderança dentro da congregação, a Igreja Batista Wishire de Dallas, nos Estados Unidos.

Após o resultado, o Pastor da igreja, George Mason, afirmou que quer que os fiéis LGBT sejam tão normais quanto os outros. “Queremos que a vida de fiéis LGBT seja tão normal quanto dos outros. Somos uma igreja e a mensagem que queremos passar é de que estamos abertos a todos", disse. "Há um ano, um fiel foi impedido de ser nominado diácono apenas por ser gay. Também percebemos que existem fiéis muito jovens que já se assumem gays e lésbicas, isso sem falar na lei federal do casamento igualitário que já vale de maneira civil em todo país. Nossa congregação estudou essa questão por 14 meses e esta é nossa conclusão", concluiu.

Desde que foi fundada, há 65 anos atrás, Wilshire é considerada uma das igrejas mais progressistas dos Estados Unidos. Em 1991, foi a primeira igreja da história a ordenar uma mulher. Cada igreja Batista tem suas próprias regras e muitas não concordam com essa decisão. Em relação as que discordam dos posicionamento da Wilshere, o pastor Manson disse que discorda delas em alguns pontos. “São boas pessoas. Valorizamos a amizade deles, mas discordamos neste ponto. Não é uma atitude fácil mudar a crença de tantos, mas já passa da hora disso ser discutido", afirmou.

Ainda segundo Manson, ele espera que essa decisão seja o começou de uma grande mudança. "Esperamos que nossa decisão seja só o começo de um processo pelo qual toda igreja deverá passar. Na nossa igreja, a comunidade LGBT é bem vinda, em Cristo", declarou. Acrescentando que "quem discordar de nós, apenas pedimos: não odeie as pessoas gays. Vir à igreja é acima de tudo exercitar o amor e aceitação ao próximo independente de quem ele seja.”