Vida Urbana

Campina Grande fabrica os próprios semáforos

Com a produção na própria cidade, valor do equipamentos caiu para a metade do preço de mercado.



Secom-JP
Secom-JP
Um dos diferenciais do semáforo caseiro, segundo Félix Neto está na quantidade de lâmpadas de led

Os semáforos de trânsito de Campina Grande estão sendo fabricados na cidade. A Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos (STTP) criou um laboratório digital que fabrica semáforos na sede do órgao e conseguiu uma economia de 50% dos gastos com o equipamento, cujo preço de mercado é de R$ 2,5 mil. Na cidade, dos 94 semáforos existentes, 25% destes já foram recuperados ou fabricados pelo laboratório. Os novos possuem 120 bolachas de leds, número duas vezes maior do que os demais.

De acordo com o superintente da autarquia, Félix Araújo Neto, a STTP desenvolveu uma tecnologia para a fabricação do equipamento de sinalização com qualidade superior. “Conseguimos nos libertar das grandes empresas que cobram preços exorbitantes, além de estarmos valorizando os técnicos e racionalizando os recursos públicos. Nosso material é de alta qualidade e melhor até do que o dos semáforos propostos através de licitação”, disse.

Um dos diferenciais do semáforo caseiro, segundo Félix Neto está na quantidade de lâmpadas de led, que nos equipamentos existentes é de 60. “Nós dobramos justamente para que a qualidade da sinalização seja maior, garantindo segurança a pedestres e motoristas”, disse.

O superintende informou que os agentes de trânsito receberam curso preparatório na área. “Os agentes de Campina Grande têm um perfil muito diferenciado, com formação técnica e acadêmia em várias áreas do conhecimento. “A criação do laboratório digital é fruto deste capital humano que conseguiu dar uma resposta ágil a demanda, priorizando a eficiência, baixo consumo e baixo índice de manutenção do led”, disse.

Para o gerente financeiro da STTP, Roberto Loureiro, o funcionamento do laboratório digital vem sendo responsável por redução de custos e também do número de reclamações, que atualmente, segundo ele têm um índice de 0,3%. “Através da tecnologia desenvolvida pelos nossos funcionários efetivos e da parceria firmada entre a Prefeitura e a UFCG, nós garantimos qualidade e economia. Nos semáforos e sinalização em geral estamos sempre realizando manutenções preventivas que evitam problemas e prolongam a vida útil dos equipamentos”, disse.