Vida Urbana

Ministro descarta risco de apagão na Paraíba por causa da seca

Fernando Filho, de Minas e Energias, revelou que mais de cem obras no setor elétrico estão paradas. 



Angélica Nunes
Angélica Nunes
Ministro cumpriu agenda em João Pessoa na manhã desta quinta-feira

O ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, revelou nesta quinta-feira (03) que, das 115 obras da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chefs), companhia que abastece os estados do Nordeste, apenas 11 continuam sendo sendo executadas, devido a falta de recursos federais para o setor elétrico. “Todas as obras que estão paradas acarretam uma série de prejuízos, seja para as empresas de transmissão, seja para as mineradores”, ressaltou. Apesar do cenário desfavorável, Filho assegurou que a Paraíba não deve sofrer apagões nos próximos meses por causa da seca.

Fernando Filho destacou que, mesmo com os reservatórios d'água no Nordeste em colapso por falta de chuva, não há risco de abastecimento de energia no estado. Dos 223 municípios, 196 estão em estado de emergência decretado por falta de água. Em agosto deste ano, um apagão deixou parte do Agreste e Sertão da Paraíba deixou 468 mil clientes sem luz. “Muitas vezes as pessoas gostam de associar a pouca chuva a apagão, racionamento. Isso está totalmente descartado”, afirmou. 

Apesar do problema instalado com a paralisação das obras e tensão com a escassez d´água, o ministro disse que a expectativa é retomar o mais rápido possível o ritmo das obras. Algumas delas, para instalação de linhas de transmissão, passam pelo território da Paraíba. “Na terça-feira, conversei com  o presidente da Eletrobrás estamos na medida do possível para retomar as obras, mas é uma situação de extrema dificuldade financeira por que passa a Chesf e o setor elétrico publico brasileiro como um todo”, afirmou. 

O ministro Fernando Filho esteve em João Pessoa para conhecer a Energisa Paraíba. O convite foi feito pela direção do Grupo Energisa, Ricardo Botelho, e pelo diretor presidente da Energisa Paraíba e Energisa Borborema, André Theobald, que expôs ao ministro as tecnologias utilizadas pela empresa para otimizar o atendimento aos consumidores de energia no estado.