Vida Urbana

UFCG cria sistema que interliga todas as delegacias da Polícia Federal

Sistema, desenvolvido ao longo de 5 anos, vai dar mais agilidade nas investigações e prisões.



Reprodução/TV Paraíba
Reprodução/TV Paraíba
Sistema desenvolvido pela UFCG passará a ser adotado em todo o Nordeste e, em breve, nas demais unidades do órgão, que prevê uma economia estimada em mais de 14 milhões de folhas de papel por ano

Um sistema desenvolvido no laboratório Software Practice Laboratory (SPLab) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), vai interligar as informações dos inquéritos entre todas as delegacias da Polícia Federal do país pela internet. De acordo com a PF, o sistema, desenvolvido ao longo de 5 anos, vai dar mais agilidade nas investigações e prisões realizadas pelo órgão. Estados do Nordeste são os primeiros a implantar o sistema.

Os documentos que oficializaram a adoção do Sistema de Gestão da Atividade de Polícia Judiciária (Epol), foi assinado pelo diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello Coimbra, na última sexta-feira (21). Com a implementação do novo sistema eletrônico, todos os inquéritos policiais passam a tramitar eletronicamente.

"Instituição cresceu muito e o ePol surge para simplificar a investigação. A partir dele vamos agregar informações, dar agilidade e eficiência aos inquéritos. Para ter uma polícia cada vez mais forte e competente, é preciso trabalhar desde já. O ePol será sempre um sistema inacabado, nosso objetivo é trazer, constantemente, novas funcionalidades para ele", pontuou Daiello.

O sistema passará a ser adotado em todo o Nordeste e, em breve, nas demais unidades do órgão, que prevê uma economia estimada em mais de 14 milhões de folhas de papel por ano. Visto que são instaurados 70 mil inquéritos nesse período, cada um deles com cerca de 200 laudas.

O ePol permite o rápido registro, acesso e manutenção das informações inseridas e, segundo o professor da UFCG Dalton Serey, o laboratório da universidade vai continuar acompanhando o trabalho da PF e andamento do sistema. "O ePol já começou a ser usado, mas precisamos seguir construindo. Sempre vai ter como melhorar. É um sistema em construção", disse.

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, afirmou que a criação do ePol é uma mudança de paradigma na instituição. "Esse sistema é fruto do trabalho da inteligência a favor da Polícia Federal. Com a adoção dele, teremos mais policiais dedicados à atividade-fim do órgão. A ideia do ePol é fazer com que haja ganho de tempo e economia de recursos. Esse é um passo importante para a eficácia do trabalho, pois traz mais segurança aos procedimentos policiais", explicou.