Vida Urbana

Manifestações em Brasília defendem a prática da vaquejada

Defensores criticam a decisão do STF que proibiu a vaquejada.



Divulgação/Assessoria
Divulgação/Assessoria
Manifestantes contestam tese de que prática maltrate animais

Defensores e praticantes da vaquejada organizaram um protesto em Brasília, nesta terça-feira (25), em defesa da prática. Os manifestantes fizeram um ato em frente ao Congresso Nacional, com o objetivo de pedir apoio aos parlamentares contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que considerou a vaquejada ilegal.

“Ao contrário do que pensa muita gente que não conhece o funcionamento de uma Vaquejada, a prática preza muito pelo cuidado aos animais. Temos manual de bem-estar dos animais e regras que se não seguidas à risca levam à desclassificação sumária dos praticantes”, afirmou Paulo Farha, liderança nacional da raça de cavalos quarto de milha.

Segundo a Associação Brasileira de Vaquejada (ABVAQ), todo o material usado na prática é inspecionado e também existem outros cuidados com a pista onde o animal se apresenta, que é composta por um colchão de areia. Ainda estão incluídos outros itens como o protetor de cauda para o boi entrar na arena de competição e cuidados com a alimentação, transporte, manejo e alojamentos.

Os defensores afirmam que além de ser um importante elemento da cultura brasileira, a vaquejada representa uma importante fonte de renda e geração de empregos para o país. O mercado da equinocultura no Brasil gera mais de três milhões de empregos diretos, sendo que a vaquejada é responsável por 700 mil trabalhadores, segundo Estudo do Complexo do Agronegócio do Cavalo, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Estpa programada uma série de atos em defesa da vaquejada durante toda a terça-feira na capital federal.