Vida Urbana

Wesley Safadão declara apoio às vaquejadas: 'Considero um esporte'

Estrela defende vaquejada e cobra fiscalização para evitar maus-tratos.



Divulgação
Divulgação
"Acabar a vaquejada não!", enfatiza Safadão. Que entende que a prática é uma tradição nordestina

O Supremo Tribunal Federal (STF) julgou na quinta-feira (6) inconstitucional os espetáculos de vaquejada no estado do Ceará, que era regulamentada pela lei cearense 15.299/2013. Com isso, a vaquejada passou a ser considerada uma prática ilegal, relacionada a maus-tratos a animais e, por portanto, proibida. O tema ganhou repercussão no Brasil, e se tornou um dos mais comentandos nas redes sociais. E, claro, divide opniões. Quem comentou sobre o assunto foi a estrela da música nordestina, Wesley Safadão.

Wesley Safadão apoia a vaquejada, mas cobra fiscalização para que os animais não sejam maltratados. As declarações foram dadas ao blog 'Vai, Forrozão'. Safadão diz que a vaquejada é uma tradição nordestina.

“Eu apoio a vaquejada. Afinal, sou nordestino e sei o quanto a vaquejada representa para o nordeste. Mas eu também sou a favor da proteção dos animais", afirmou o cantor cearense. "Eu acho que não deve acabar a vaquejada, mas talvez fazer uma fiscalização, tem que haver uma fiscalização”, acrescentou o forrozeiro.

Safadão ainda diz que considera a vaquejada um esporte, e é enfático a tratar sobre a proibição. “Acabar a vaquejada não! Tem muita gente que vive dela. Eu considero a vaquejada como um esporte”, concluiu.

Protestos na PB

Na terça-feira (11), manifestações a favor da manutenção da vaquejada foram realizadas em João Pessoa e Campina Grande. No mesmo dia em que os defensores da vaquejada protestaram, a Assembleia Legislativa da Paraíba resolveu instalar a Frente Parlamentar em Defesa da Vaquejada. A proposta, de autoria do deputado estadual João Gonçalves (PDT), foi aprovada na sessão ordinária desta terça-feira (11).

Conforme a Associação Brasileira de Vaquejada (ABVAQ), são realizados cerca de 6 mil vaquejadas ao ano, com público circulante de 650 milhões de pessoas, o que gera lucro de R$ 700 milhões, além de 600 mil empregos indiretos e 130 mil diretos.