Vida Urbana

Laboratório público é autorizado a fabricar mais um teste rápido do zika

Exame identifica se o paciente tem ou teve o vírus no organismo.  



Mais um teste rápido para detectar o vírus zika obteve nesta segunda-feira (10), na Bahia, registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e será fabricado e distribuído pelo laboratório público do estado (Bahiafarma) em todo o país, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). O exame fica pronto em até 20 minutos, quando normalmente o paciente leva semanas para ter o resultado.

O registro na Anvisa permite que a Bahiafarma produza e distribua o teste rápido para zika a partir do antígeno NS1. Com o teste, é possível identificar se o paciente tem o vírus Zika no organismo, - independente de quanto tempo está infectado - ou se a pessoa já teve o vírus. Segundo a Bahiafarma, essa possibilidade não existia em outros métodos de diagnóstico existentes no mercado.

Com maior rapidez no resultado, o tratamento pode se tornar mais eficaz, pois o contágio pode ser confirmado assim que surgem os sintomas da doença e o tratamento é iniciado imediatamente. Diferentemente do teste rápido, lançado no primeiro semestre na Bahia, que detecta os anticorpos no organismo por volta do cinco dia após a infecção pelo vírus.

A Bahiafarma é o primeiro laboratório público do país a desenvolver e registrar o teste rápido Zika NS1. Em relação a outros países, o laboratório informou que há interesse no produto brasileiro, pois poucos fabricantes têm a tecnologia e o preço é considerado atrativo, por serem testes “de alta qualidade a preços muito competitivos”.

De acordo com a última atualização da Secretaria de Saúde da Bahia, o estado registrou cerca de 55 mil casos suspeitos de vírus zika, somente este ano, em 357 municípios baianos.