Vida Urbana

Justiça condena três envolvidos em assalto à agência dos Correios

Juiz federal acatou denúncia do procurador da República Bruno Galvão.  



Divulgação
Divulgação
Denúncia foi feita pelo Ministério Público Federal em Campina Grande

O juiz da 6ª Vara Federal, Gustavo de Paiva Gadelha, acatou denúncia do procurador da República Bruno Galvão Paiva e condenou três envolvidos em assalto à agência dos Correios do município de Juarez Távora, ocorrido em março deste ano. São eles: Antônio Alexandre da Silva, Carlos Kaire Dos Santos Ferreira e Francisco Adriano Gomes Avelino – os dois últimos fugitivos de estabelecimentos prisionais do Rio Grande do Norte.

 Antônio foi condenado a uma pena de 16 anos, 7 meses e 22 dias de reclusão, enquanto os outros dois a 19 anos, 6 meses e 11 dias de reclusão. Os três também pagarão multas. Entre os crimes praticados estão tentativa de roubo, sequestro e furto qualificado. A denúncia do MPF foi recebida pela Justiça Federal em Campina Grande no dia 25 de abril. Atualmente, os três condenados encontram-se presos na penitenciária PB1, em João Pessoa.

Entenda o caso

Na manhã de 28 de março de 2016, uma agência dos Correios na cidade de Juarez Távora sofreu uma tentativa de assalto. Quando os três homens tentavam levar o dinheiro da agência, a Polícia Militar chegou e eles fizeram o gerente, o vigilante e um cliente não identificado de escudos, como reféns.

Do lado de fora da agência, o réu Francisco Adriano mandou os policiais se afastarem e, levando consigo os reféns, os acusados se dirigiram a um veículo Fiat Pálio Weekend, estacionado em frente aos Correios. Como não conseguiram abrir o veículo, os acusados, mediante grave ameaça exercida com arma de fogo, entraram na viatura da Polícia Militar e fugiram com dois reféns.

Durante a fuga pela BR-230, no sentido Juarez Távora (PB) — distrito de Cajá (PB), a sirene da viatura foi ligada, a fim de facilitar a abordagem de um veículo Ford New Fiesta de cor branca, que trafegava na mesma direção dos denunciados. Com a sirene ligada, a viatura comandada pelos criminosos "emparelhou" com o veículo Fiesta, sinalizando para que os passageiros parassem o carro, rendendo os três ocupantes, entre eles, um menor de idade.

Reféns

No momento da troca de veículo, o vigilante da agência foi liberado e os acusados reiniciaram a fuga, ainda na BR-230, em direção ao Estado do Pernambuco. Próximo à divisa, o veículo foi interceptado por uma barreira policial. Nesse momento, todos os ocupantes desceram do carro, oportunidade na qual o refém menor de idade conseguiu fugir.

Dois reféns deitaram no chão, enquanto outro foi puxado por Francisco, que o imobilizou passando o braço pelo pescoço da vítima. Nesse instante, os acusados efetuaram vários disparos contra os policiais militares, tendo estes recuado, sem ser atingidos.

Após os disparos, os acusados retornaram ao veículo New Fiesta, mantendo dois reféns, quando seguiram viagem saindo da BR-230 em direção a um canavial, por uma estrada de terra, em localidade próxima ao município de Juripiranga (PB). No trecho compreendido entre os Municípios de Juripiranga e Pedras de Fogo (PB), o carro atolou próximo a um canavial, o que fez com que o grupo iniciasse uma caminhada, que se estendeu até a noite do dia 28/03.

Lanterna

Por volta das 23h, os acusados avistaram um homem portando uma lanterna, ocasião em que o renderam. Tal homem os conduziu até uma escola próxima. Ao chegar ao local, os denunciados arrombaram a porta da escola e entraram com os reféns. Logo após, Francisco pediu à pessoa rendida que providenciasse um carregador de celular, quando o homem conseguiu fugir.

Os acusados saíram da escola e voltaram para o canavial, levando o gerente da agência e libertando a outra refém, que estava com um pé machucado.

Perseguição

Só no dia 30/03/2016, nas proximidades de uma estação de energia, em um sítio localizado em Pedras de Fogo (PB), após perseguição, policiais militares conseguiram interceptar os acusados Antônio e Carlos, oportunidade em que foram presos em flagrante, sendo o último refém, gerente da agência, enfim libertado. Já o denunciado Francisco Adriano Gomes Avelino conseguiu evadir-se antes da chegada da polícia. Ele foi preso em flagrante durante tentativa de assalto a uma agência dos Correios localizada no bairro Cruz das Armas, em João Pessoa, no dia 27/04/2016.