Vida Urbana

Sobrinho de Marcos Nogueira é suposto assassino de família paraibana na Espanha

Anúncio de que Patrick Gouveia matou família foi feito pelo ministro do Interior da Espanha.



Reprodução/TV Globo
Reprodução/TV Globo
Patrick Gouvei tem histórico de violência e já tentou matar um professor dele em sala de aula

Desvendado o mistério sobre o crime que terminou com a morte trágica do casal de brasileiros e dos filhos menores na Espanha. O autor do crime, segundo o ministro do Interior da Espanha, Jorge Fernandez Diaz, foi o sobrinho de Marcos Nogueira, François Patrick Gouveia, de 19 anos, que morava com o casal antes do crime bárbaro.

Dono de um passado violento, tendo sido apreendido, aos 16 anos, em 2013, após esfaquear um professor em sala de aula, no Pará, François Patrick se mudou para a Espanha para tentar a vida como jogador de futebol. Na ocasião da tentativa de assassinato do professor, ele cumpriu 45 dias de medida socioeducativa. Em março deste se mudou para a Europa, indo morar com a família do tio na cidade de Torrejón, onde ficou por quatro meses.

O mistério começou a ser desvendado após a polícia encontrar material genético no chalé onde aconteceu o crime bárbaro.

Segundo a imprensa espanhola, as investigações sobre o envolvimento de Patrick começaram três dias após a descoberta dos corpos. O nome dele foi então encaminhado ao Tribunal de Instrução de Guadalajara.

Ainda segundo a imprensa da Espanha, no dia 22 de setembro, um juiz determinou um mandado de prisão e um mandado de detenção europeu e internacional contra o suposto autor.

A intenção, segundo as investigações era desaparecer com os corpos e deixar a casa limpa, mas ele não conseguiu o intento. A morte, de acordo com a imprensa da Espanha, foi realizado durante a noite. Patrick matou o casal, cortou os corpos ao meio e colocou em sacos. O corpo da crianças, uma menina de quatro anos e um menino de um, foram deixado intactos. Os corpos foram descobertos depois que um vizinho alertou sobre o mau cheiro perto do chalé, localizado em um subúrbio de Los Sauces Pioz, em Guadalajara.

Após o crime bárbaro, o suposto autor teve o cuidado de limpar a casa para não deixar nenhum rastro e se livrar das roupas e outros itens para as vítimas.

Patrick antecipou a volta ao Brasil

De acordo com a imprensa espanhola, Patrick deixou a Espanha com destino ao Brasil em 19 de agosto, possivelmente para evitar ser detido. “Ele não veio foragido, ele veio normalmente, temendo até pela sua integridade física, pela sua vida”, disse o advogado Eduardo de Araújo Cavalcanti, que está representando o jovem.

A antecipação da data da volta ao Brasil foi confirmada pelo ministro do Interior da Espanha, Jorge Fernandez Diaz. Segundo ele, o bilhete da volta estava prevista para 16 de novembro, mas foi antecipada para 19 de setembro, um dia após a descoberta dos corpos.

A Superintendência da Polícia Federal na Paraíba confirmou que Patrick está no Brasil e que prestou depoimento de forma espontânea na última sexta-feira (30). Mesmo não sendo investigado no Brasil, ele decidiu ceder amostras de sangue para comparar com o suposto material genético encontrado no local da chacina da família .

"Patrick residiu quatro meses com a família, então eventual material nas roupas, em objetos é plenamente comprensível. Na cena do crime não há a mínima possibilidade, ele sequer sabia o endereço”, ressaltou Eduardo Cavalcanti. Segundo o advogado, quando a família de Marcos deixou Torrejón com destino a Pioz, onde aconteceram as mortes, Patrick não foi avisado de para onde eles estavam se mudando. O tio teria dito que voltaria para buscar o sobrinho, mas não fez isso.

O nome de Patrick já tinha sido citado em entrevista ao JORNAL DA PARAÍBA, por Pedro Rafael, um primo de Janaína. Na época ele citou o rapaz como peça para ajudar a esclarecer o crime. "Esse sobrinho, de nome Patrick, talvez seja uma pessoa muito importante para ajudar a solucionar o caso", afirmou Pedro Rafael.