Vida Urbana

Mulheres morrem mais de AVC do que homens na Paraíba, diz estudo

Acúmulo de atividades pode ser a causa do aumento de casos.




Reprodução

O número de mulheres que morreram em consequência de um Acidente Vascular Cerebral (AVC), na Paraíba, passou a quantidade de homens que perderam a vida pela mesma doença. Os dados foram levantados pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e são referentes ao ano de 2017.

Na período da pesquisa, foram registrados 1.024 óbitos de pessoas do sexo feminino no Estado, já de pessoas do sexo masculino foram 1.012. A diferença pode parecer pequena, mas é expressiva se comparada ao histórico de casos no Brasil. Ainda de acordo com a pesquisa, há 60 anos eram 9 mortes masculinas para 1 feminina.

O tema foi discutido no Simpósio Mulheres do Coração, promovido pela SBC na sexta-feira (18) e sábado (19). O evento foi realizado no auditório do Centro Cultural do Tribunal de Contas do Estado (TCE), em João Pessoa.

Fatores de risco

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, o AVC é a principal causa de incapacidade no mundo e atinge 17 milhões de pessoas todos os anos. “Controlar os fatores de risco, como a hipertensão, o diabetes, colesterol, tabagismo e sedentarismo, pode reduzir em até 80% as chances de uma pessoa sofrer um derrame”, garante o presidente da SBC, Marcus Bolívar Malachias.

O aumento da jornada de trabalho e o ritmo intenso de atividades com a família e a profissão algumas vezes impedem a mulher de praticar atividade física e agregam dois outros fatores de risco: a obesidade e o estresse.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.