Vida Urbana

Explosão de gás de cozinha destrói barraca de lanches na Torre

Acidente aconteceu às 5h30 e por pouco não atingiu uma concessionária de veículos. Boca de fogão teria ficado aberta, enquanto celular era recarregado na eletricidade.




Karoline Zilah

Um vazamento de gás causou uma explosão dentro de um fiteiro Pontual Lanches, que fornecia refeições e lanches no bairro da Torre, em João Pessoa, por volta das 5h30 desta sexta-feira (4).

Segundo as primeiras informações do Corpo de Bombeiros, a principal suspeita é de que uma das bocas do fogão da barraca tenha ficado aberta durante toda a noite. Quem fez a chamada pedindo socorro foi Rivanildo José da Silva, de 44 anos, dono do fiteiro. Por pouco, ele não ficou ferido.

O acidente aconteceu no cruzamento da avenida Beira Rio com a avenida Clemente Rosas, próximo à Praça São Gonçalo. O local é bastante frequentado por taxistas do Sindicato dos Motoristas da Paraíba nos horários do almoço e do jantar. O impacto da explosão foi grande e os estilhaços ficaram espalhados por um raio de cinco metros de diâmetro na rua.

Os bombeiros que fizeram a perícia no local adiantaram que, dos 13kg de gás liquefeito de petróleo, conhecido como “gás de cozinha”, comportados no botijão, existe a possibilidade de ter vazado meio quilo. O confinamento do gás no ambiente fechado pode ter causado muita pressão e, em seguida, a explosão sem chamas.

Caso o vazamento fosse maior, a explosão poderia ter dimensões “catastróficas”, atingindo casas vizinhas e até uma concessionária de veículos.

Marcos Antônio Bezerra, vice-presidente do Sindicato dos Revendedores de Gás GLP do Estado da Paraíba (Sinregas), está acompanhando o caso e disse ter recebido informações de que o proprietário do fiteiro deixou um aparelho de telefone celular recarregando em uma tomada a noite inteira. Em algum momento, a eletricidade pode ter faiscado, gerando a combustão do gás e, consequentemente, a explosão.

Contudo, o Corpo de Bombeiros ainda vai emitir  dentro de 15 dias um laudo oficial apontando a causa do incêndio.

Cuidados necessários

O sindicato de revendedores de gás acompanha o caso para apurar se há responsabilidade de alguma distribuidora de GLP. Marcos Antônio Bezerra esclarece que, caso seja comprovado que houve algum defeito no botijão gerado por parte da revendedora autorizada, então o consumidor pode ser ressarcido, uma que ele tem direito a um seguro que cobre todos os anos. Basta apresentar a nota fiscal para se resguardar dos direitos. Caso a compra do botijão tenha sido feita em um ponto clandestino, dificilmente o consumidor será beneficiado.

Confira as dicas para evitar acidentes:

– Certificar-se de que a compra do botijão de gás de cozinha está sendo feita ema revendedora autorizada pela Agência Nacional de Petróleo Gás Natural e Biocombustíveis (ANP);

– Guardar a nota fiscal da compra;

– A instalação do gás deve ser feita por pessoas treinadas, que vão orientar o consumidor sobre o estado do equipamento, avaliar se a mangueira está vencida, entre outros detalhes técnicos.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.