Vida Urbana

CRM-PB interdita Hospital Materno Infantil de Bayeux por falta de esterilização em materiais

Problema recorrente, somente em 2018, a unidade foi interditada três vezes nos meses de março, novembro e dezembro.




Hospital Materno Infantil de Bayeux. Foto: Francisco França

A falta de esterilização dos instrumentos e materiais utilizados diariamente no Hospital Materno Infantil João Marsicano, em Bayeux, fez com que o Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) e a Agência Estadual de Vigilância Sanitária interditassem a unidade hospitalar nesta quinta-feira (9). Aproximadamente dez partos são realizados todos os dias na unidade, com três destes sendo procedimentos cirúrgicos (cesáreas).

O diretor de fiscalização do CRM-PB, João Alberto Pessoa, afirmou que os problemas na central de esterilização do hospital são antigos e sempre ocorrem. Somente em 2018, a unidade foi interditada três vezes pelo órgão nos meses de março, novembro e dezembro.

“Infelizmente não podemos permitir que um hospital funcione sem uma central de esterilização. A informação que tivemos é que as máquinas já foram adquiridas, mas ainda não foram instaladas. Aguardamos contato dos gestores e a resolução do problema, para desinterditar o hospital o mais rápido possível”, disse.

João Alberto ainda garantiu que enquanto o período de intervenção estiver acontecendo, pacientes não poderão dar entrada para internações no hospital.

“Claro que os pacientes que estão internos terão toda a assistência necessária até a sua alta. Se chegar um paciente com risco de morte também será atendida. Mas, o hospital não tem condições de internar mais ninguém para que não haja um problema mais grave”, explicou.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.