Vida Urbana

Cooperativas têm opiniões distintas

Presidentes de cooperativas divergem do Ministério Público, sobre decisão que proíbe renovação contratual.




Enquanto o representante do Ministério Público indicou que as duas cooperativas estavam impedidas pela Justiça de renovarem seus contratos, os representantes das duas instituições deram versões diferentes sobre o caso. Enquanto que Paulo Ramos, representante jurídico dos anestesistas, explicou que os profissionais cooperados não aceitam assinar um contrato individual por já terem dois vínculos públicos, o limite imposto pela lei, José Ricardo, representante dos ortopedistas, confirmou que sua categoria tem documentos que garantem a renovação do vínculo.

“Não há a possibilidade dos anestesistas assinarem um contrato individual porque eles já têm dois vínculos públicos. Dessa forma, o cooperado não pode fazer nada. O Tribunal de Contas não aceita ter um terceiro contrato. Como essa decisão não cabe mais recurso, o que podemos prever é que muitos médicos deixarão de atender”, explicou Paulo Ramos.

Já o presidente da Cooperativa dos Ortopedistas afirmou que após o contato que a entidade fez com o Governo Estadual, a permanência desses profissionais no Trauma será renovada.

“Nós vamos continuar atendendo normalmente porque nosso departamento jurídico está com todos os documentos que garantem o atendimento”, destacou Ricardo Amorim.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.