Vida Urbana

Construtor de prédio que desabou na Muzema teria fugido para a Paraíba

Ele é considerado foragido após a Justiça decretar a sua prisão e de outros dois pela tragédia.




Zé do Rolo, responsável pela construção dos prédios na comunidade da Muzema, estaria na Paraíba. Foto: Reprodução/GloboNews

A pedido da delegada Adriana Belém, titular da 16ª Delegacia de Polícia (Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro), a Justiça decretou a prisão de temporária de José Bezerra de Lira, conhecido como Zé do Rolo; Renato Siqueira Ribeiro; e Rafael Gomes da Costa. O primeiro foi apontado por testemunhas como o responsável pela construção dos prédios na comunidade da Muzema que desabaram, deixando 20 mortos confirmados, dentre eles paraibanos. Todos foram indiciados por homicídio doloso.

Os outros dois investigados são suspeitos de participarem na venda dos apartamentos dos imóveis que desmoronaram, segundo o RJTV. De acordo com a investigação, há suspeita de  Zé do Rolo tenha fugido para o Nordeste. A polícia apura se ele voltou para a Paraíba, onde parentes de José moram.

A delegada Adriana Belém explicou que o pedido à Justiça só foi possível a partir dos depoimentos de algumas testemunhas, ocorridos nesta quinta-feira (18), que reconheceram os três: o construtor José Bezerra Lira, o Zé do Rolo, e os vendedores Rafael Costa e Renato Ribeiro.

“Nós tínhamos a informação de que seriam eles. Ontem foi o nosso primeiro contato com as vítimas, que em princípio resistiam, por motivos óbvios, mas confiaram no nosso apelo, foram lá e reconheceram. Nós pedimos a prisão desses três, que foram efetivamente reconhecidos, como o construtor e dois vendedores”, explicou a delegada.

Mais suspeitos

O síndico do Condomínio Figueiras do Itanhangá, na Muzema, prestou depoimento na tarde desta quinta-feira na 16ª DP. Ele foi identificado apenas como José Roberto. Na saída do depoimento, que durou cerca de quatro horas, ele negou conhecer os responsáveis pela construção. A polícia investiga a atuação do síndico no condomínio e se ele tem ligações com José Bezerra de Lira.

“Não conheço nenhum Zé do Rolo, isso foram vocês da imprensa que falaram. Não sei quem constrói por ali, não conheço essa turma. Não sou síndico nada, cara, o troço é clandestino, não tem síndico, é ilegal”, disse, segundo reportagem do RJTV.

Desabamento de dois prédios na comunidade da Muzema, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, deixou mortos e feridos. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Desabamento de prédios na comunidade da Muzema, no Rio de Janeiro, deixou mortos e feridos. Foto: Fernando Frazão/AgBR

Tragédia

A Muzema é uma área na zona oeste, em Jacarepaguá, controlada por milícias, que promovem a construção irregular e ilegal de imóveis, em áreas ambientais, sem nenhuma autorização da prefeitura nem engenheiro responsável. O solo na região é arenoso e os dois prédios desabaram no início da manhã do dia 12, poucos dias depois que uma chuvarada atingiu fortemente a cidade.

O desabamento resultou na morte de 20 pessoas e outras três ainda estão desaparecidas. Dentre as vítimas da tragédias estão três famílias de paraibanos. O primeiro a ser localizado foi o paraibano Cláudio Rodrigues, 42 anos, que era pastor e morreu para salvar a filha. Também morreu no desastre as paraibanas Ana Paula Rodrigues, de 37 anos, e Ana Flávia Pereira, de 36 anos.

Uma paraibana, identificada apenas como Carla, de 30 anos, e dois filhos de seis e quatro anos ainda são procurados pelas equipes do Corpo de Bombeiros.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.