Vida Urbana

Como a Paraíba contribuiu para a conquista da Lua há 50 anos

Paraibano Rubens de Azevedo ajudou trabalho da Nasa no Centro de João Pessoa.




Paraibano Rubens de Azevedo auxiliou o trabalho da Nasa para levar o homem à Lua há 50 anos. Foto: divulgação: Apapb

A chegada do homem à Lua completa 50 anos neste sábado (20), o que já vem amplamente sendo celebrado nos últimos dias. O que poucos sabem é que a Paraíba também deu a sua contribuição para esta conquista. O responsável por isso foi o professor Rubens de Azevedo, um dos fundadores da Associação Paraibana de Astronomia.

Nos anos que antecediam à viagem tripulada à Lua, a Nasa criou um programa que convidava astrônomos de todo o mundo a monitorar a Lua, o Programa Lion (Lunar International Observers Network). O objetivo era identificar os chamados Fenômenos Transitórios Lunares (TLPs na sigla em inglês), que são fenômenos luminosos que ocorrem na Lua e podem ser percebidos da Terra.

Boa parte desses fenômenos estão associados à impactos de pequenos fragmentos de rocha com a superfície lunar, mas existem alguns deles que até hoje não tem explicação científica. E para quem pretendia enviar pessoas para a Lua e trazê-las de volta com segurança, era preciso conhecer ao máximo os fenômenos que ocorriam por lá.

No final dos anos 1960, começou a funcionar na Rua 13 de Maio, no Centro de João Pessoa, o Observatório Astronômico da Paraíba, e de lá, o professor Rubens de Azevedo observava constantemente a Lua e reportava os fenômenos detectados à Nasa. Ele era um dos astrônomos credenciados no Programa Lion.

Informação da Paraíba

Na noite de 19 de Julho 1969, enquanto a Missão Apollo 11 levava o homem para a Lua, Rubens percebeu em nosso satélite natural, um brilho anormal na Cratera Aristarco. Através de telegrafo, o relato foi enviado diretamente para a NASA, que repassou a informação para os astronautas da Apollo 11 e de lá, diretamente da órbita lunar, o astronauta Buzz Aldrin confirmou a anomalia observada por Rubens de Azevedo aqui da Paraíba.

Rubens era um exímio desenhista, selenógrafo (que estuda a Lua) e um brasileiro do qual todos deviam se orgulhar. Em 1963, durante a observação de um Eclipse, ele descobriu um vale, um acidente geográfico que ainda não era documentado. Em homenagem a Rubens, astrônomos chilenos que também observaram a formação, propuseram chamá-la de “Vale Azevedo”. Mas Rubens declinou da homenagem e pediu para que ele fosse chamado de “Vale Brasiliensis”. Assim, Rubens de Azevedo deu de presente um pedaço da Lua para todos os brasileiros.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.