Vida Urbana

Cirurgia rara é realizada em crianças que nasceram com os dedos colados

Cinco membros da mesma família nasceram com uma anomalianos dedos da mão e dos pés, que pode acontecer devido a mutação genética




Uma mãe, quatro irmãos e uma semelhança rara, que atinge um em cada 20 mil nascidos, a sindactilia (dedos colados) e polidactilia (mais dedos que o normal). Essa é a história de uma família da cidade de Soledade, no Agreste Paraibano, que na manhã deste sábado está passando por uma cirurgia para se libertar desse trauma que é emocional, mas também funcional. O procedimento está acontecendo no Hospital Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande.

Os cinco membros da mesma família nasceram com uma anomalia que consiste na alteração quantitativa anormal dos dedos da mão e dos pés que pode acontecer devido a uma mutação genética. As chances de herança familiar são de 50%, quando um dos pais tem o problema, ou de 100% caso ambos os pais tenham.

A mãe das crianças, Ana Iara de Moura conta que esperou muito por esse momento, pois há muito tempo estava buscando uma solução para o problema dos filhos. “É um sonho que está sendo realizado, era tudo que eu mais queria em minha vida, e hoje ganhamos essa oportunidade”, declarou a mãe.

A primeira criança a entrar no bloco cirúrgico foi Maiara Waleska, de 4 anos. Em seguida será a vez de Débora Karoline, de 3 anos e Bruna Karla, 1 ano e sete meses. O primogênito, Wesley Franklin, de 6 anos terá que esperar mais um pouco por conta de um problema cardíaco, mas assim que estiver liberado também passará por procedimento cirúrgico para correção dos dedos da mão. Cada cirurgia demora, em média, uma hora.

Para o médico responsável, Dr. Bruno Montenegro, o caso das crianças de Soledade é ainda mais complexo, pois além das doenças genéticas, eles possuem patologia cardíaca. “O caso dessa família inspira um pouco mais de cuidado por conta da complexidade dos pacientes”, afirmou.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.