Vida Urbana

Bombeiros são despejados; carros e equipamentos estão na rua

Desde esta sexta-feira, a frota desalojada passou a ocupar metade da Rua do Prado, em Patos, criando uma série de dificuldades para o tráfego de pessoal e veículos.




Damião Lucena
Especial para o Paraíba1

O 4º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado em Patos, entregou na manhã de hoje o espaço utilizado para abrigar parte dos seus veículos e equipamentos, o qual fora antes locado, sem contrato assinado e com pagamento de valor simbólico, valor que teria sido suspenso nos últimos meses, o que fez o seu proprietário pedir a desocupação, sem a necessidade de interferência jurídica.

Na manhã desta sexta-feira, a frota desalojada passou a ocupar metade da Rua do Prado, criando uma série de dificuldades para o tráfego de pessoal e veículos, sem data para a desocupação, uma vez que, segundo as informações, já foram emitidas três solicitações ao DER – Departamento de Estradas de Rodagens para que os mesmos sejam estacionados no seu enorme pátio, que em grande parte está ocioso e, mesmo sendo de propriedade do Governo do Estado, nenhuma decisão fora comunicada.

A sede central do Corpo de Bombeiros, que funciona em Patos desde 1993, pertence a prefeitura municipal, mas já não comporta a estrutura do que antes era apenas uma guarnição e hoje constitui um dos principais batalhões da corporação.

O tenente Marcílio Sobral, relações públicas da referida unidade admite que a situação é difícil e mostra-se esperançoso com uma solução da parte do comando enquanto os policiais bombeiros reclama da falta de condições de trabalho e, ainda mais agora, quando o pequeno espaço disponível passou a ter seus corredores ocupados por equipamentos que antes eram guardados no almoxarifado entregue.

Há vários anos o empresário Daniel dos Santos Moreira doou um terreno para a construção da nova sede e ventilou-se a existência de R$ 300.000, para a construção, projeto que nunca saiu do papel.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.