Vida Urbana

Após problemas no setor de esterilização, UPA de Bayeux é desinterditada pela Agevisa

Prazo para que não houvesse nova interdição ia até esta sexta-feira (24).




Foto: Divulgação/CRM-PB

O setor de esterilização da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade de Bayeux, na Região Metropolitana de João Pessoa, foi desinterditado na tarde desta sexta-feira (24), pela Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa). A informação foi confirmada pelo Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB), que tinha estabelecido o prazo de que, se até esta sexta os problemas não fossem sanados, a unidade hospitalar sofreria uma nova interdição, desta vez por parte da entidade que representa os médicos.

Caso houvesse esta nova interdição, os profissionais ficariam impedidos de prestar seus serviços em qualquer setor da UPA. Uma fiscalização feita pelo CRM-PB no início da semana, constatou que a central de esterilização da unidade hospitalar não estava com condições de funcionar, atendendo a demanda que o local recebe.

O Hospital Materno Infantil João Marsicano, também em Bayeux, foi interditado este mês e desinterditado semana passada por causa dos mesmos problemas no setor de esterilização. No hospital, no entanto, o problema já foi resolvido com a contratação de uma empresa terceirizada enquanto não terminam as obras na central de esterilização.

Para solucionar o problema, a Secretaria de Saúde de Bayeux firmou contrato com uma empresa terceirizada, com o objetivo de realizar a esterilização dos instrumentos até que a obra para a Central de Esterilização seja finalizada. A previsão era de que, em 30 dias, o próprio hospital já pudesse fazer as esterilizações em sua própria sede.

No caso da UPA, segundo informou a Secretaria Municipal de Saúde ao CRM, esta mesma empresa deve prestar serviço.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.