Vida Urbana

Águas da transposição do Rio São Francisco chegam ao açude de Boqueirão

Expectativa é de que, com a chegada, ele saia do volume morto em até três meses.




Nesta terça-feira (18), por volta das 20h, as águas da transposição do Rio São Francisco encontraram o espelho d’água do açude Epitácio Pessoa, mais conhecido como açude de Boqueirão, no Cariri paraibano. O encontro das águas ocorre 41 dias após as águas do rio chegarem à cidade de Monteiro, na Paraíba, e uma semana após a chegada à bacia hidráulica do açude de Boqueirão. Até o sangradouro do açude, ainda faltam 8 km.

Boqueirão está com o pior nível desde a fundação, no fim da década de 1950. A expectativa é que ele saia do volume morto em até três meses. O açude tem capacidade para armazenar até 411.686.287 de m³ de água, mas está com pouco mais de 11,9 milhões, segundo os dados da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa).

O último pior índice registrado em uma crise hídrica anterior ocorreu no fim da década de 1990, quando o açude chegou à margem de 14% do volume total. Ele nunca havia chegado ao volume morto antes.

A torre construída para auxiliar no monitoramento do volume do açude já está completamente descoberta. As duas comportas que captavam a água no fundo do açude por meio da gravidade já não têm mais água no entorno.