Vida Urbana

Agricultora é presa suspeita de matar quatro pessoas com veneno de rato

Mortes em Itabaiana chegaram a ser tratadas como ‘doença misteriosa’ pela polícia. 




A juíza Anderley Ferreira Marques, da 1ª Vara de Itabaiana, determinou a prisão temporária da agricultora Vânia Maria da Silva, 44 anos, moradora do Sítio Cariatá, em Itabaiana. Ela é suspeita de utilizar veneno para assassinar uma mulher, uma adolescente e duas crianças entre dezembro de 2016 e fevereiro deste ano. O caso estava sendo tratado pela Polícia Civil como o "mistério de Cariatá", em alusão ao local em que vive a agricultora, que já está presa.

Segundo a Polícia Civil, foram vítimas de Vânia, a adolescente Letícia Firmino de Sousa, 12 anos, que passou mal no dia 6 de março de 2017 e morreu dia 10, no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande; Samuel Alexandre da Silva, 6 anos, que faleceu no dia 25 de fevereiro de deste ano no Hospital Público de Itabaiana; Ana Gabriele Evangelista da Silva, 9 anos, que morreu no dia 19 de fevereiro também no hospital de Itabaiana; e Ana Maria Dias, 20 anos, falecida em 10 de dezembro de 2016, em Itabaiana. 

De acordo com o delegado Felipe Castelar, com as vítimas foi utilizado o mesmo modus operandi e todas tiveram contato com a suspeita antes de morrerem, apresentando sintomas como: cegueira, náuseas, vômitos e dificuldade de respiração e equilíbrio, entre outros. 

Inicialmente, a polícia chegou a tratar o caso como uma “doença misteriosa”, mas os laudos do Instituto de Polícia Científica (IPC) confirmaram a presença de veneno para ratos, conhecido como chumbinho, em todos os corpos.

A Polícia Civil vai apresentar na tarde desta terça-feira (11) mais detalhes da investigação, que resultou na prisão da suspeita, em coletiva à imprensa, na Central de Polícia de Campina Grande, às 15h.