Vida Urbana

Acidente com três mortos foi provocado por velocidade e álcool

Colisão entre veículos ocorreu na BR-230, em João Pessoa, em 21 de maio.




A Polícia Rodoviária Federal (PRF) descartou que um ‘racha’ tenha provocado o acidente que envolveu dois carros e deixou três mortos na BR-230, em João Pessoa, no dia 21 de maio. As investigações concluíram que o acidente foi provocado por excesso de velocidade e consumo de bebida alcoólica. As hipóteses de racha ou de que o veículo que provocou o acidente estava fugindo de um assalto chegaram a ser cogitadas pela polícia, mas foram descartadas.

Em entrevista concedida na manhã desta terça (5), a delegada Roberta Neiva informou que o Corolla prata, que levava Thiago Nogueira e Meiryelli Egito, bateu sozinho, com a colisão sendo provocada pelo motorista. O veículo invadiu a outra pista e atingiu um Corsa, conduzido por José Ferreira, que morreu no Hospital de Trauma quatro dias depois. Uma segunda pessoa, Jovelino Ferreira da Costa, também estava no Corsa, mas sobreviveu.

O pai de uma das jovens mortas, Meiryelli Egito, relatou, no dia 25 de maio, que teve dificuldades de liberar o corpo da filha por falta de documentos; um vídeo gravado logo após o acidente mostra um homem que estaria roubando os pertences da jovem.

Durante as investigações, a delegada já tinha identificado que Thiago já acumulava 21 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Ficou constatado que os pontos acumulados foram motivados por três infrações diferentes. “Os artigos que aparecem nos documentos do Detran se referem a embriaguez no volante, ao transporte de criança sem a segurança necessária e ultrapassagem em local proibido”, disse Neiva.

Segundo a delegada, “o trabalho foi bastante árduo”, mas a “instrução do inquérito harmoniza perfeitamente com a perícia”, citando que os dados técnicos confirmaram os testemunhos.

No dia 23 de maio, Jovelino contou em entrevista à TV Cabo Branco como foi o acidente. "Eu disse ‘Dé, pisa no freio rápido porque nós vamos colidir com esse carro, que esse carro tá vindo em direção à gente. Mas foi tão rápido, foi coisa de segundos. Quando dei fé, a gente já tava tudo dentro das ferragens", lembrou. Jovelino fraturou a coluna, torceu o pescoço e teve vários ferimentos pelo corpo. Ele também contou que ele e o sobrinho iam para casa, depois do trabalho, no momento da colisão.

 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.