Política

‘PMDB da PB não vai sofrer com denúncias de Janot’, diz Manoel Jr.

Peemedebista defende o nome de Raniery Paulino para vice de Cartaxo  




Alheio às denúncias do procurador-geral da república, Rodrigo Janot, contra integrantes da cúpula do PMDB, o vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Junior (PMDB), disse nesta segunda-feira (11) que não acredita elas afetem a política de alianças e o resultado das eleições do próximo ano na Paraíba. O peemedebista defendeu, ainda, o nome do deputado Raniery Paulino (PMDB) como opção do partido para vice-governadoria numa possível chapa com o prefeito Luciano Cartaxo (PSD) para o governo do estado.  

As declarações de Manoel Junior se reportam à denúncia  ao Supremo Tribunal Federal (STF) do procurador-geral da república, Rodrigo Janot, na última sexta-feira (8), contra senadores do PMDB pelo crime de organização criminosa. Foram denunciados os senadores Edison Lobão (MA), Romero Jucá (RR), Valdir Raupp (RO) e Jader Barbalho (PA), além do ex-senador José Sarney.

Manoel Junior disse que não acredita que o PMDB deva sofrer desgaste eleitoral em 2018. “O PMDB na Paraíba é um PMDB forte, que tem serviços prestados ao estado. Esse quadro nacional não irá com certeza contaminar a política locorregional, que é a nossa política local, e eu tenho absoluta certeza que ele vai mostrar a sua punjança não só na Assembleia, na Câmara Federal, mas também na chapa majoritária das oposições”, comentou.
 
De olho na vaga de prefeito da capital, Manoel Junior voltou a defender a unidade das oposições e sugeriu o nome de Raniery Paulino para vice de Cartaxo. “Raniery é um grande nome, filho de um grande e extraordinário político, que tem se destacado na Assembleia e em toda a Paraíba. Tenho certeza que Raniery não só na Assembleia, na vice governadoria ou na Câmara Federeal o PMDB estaria muito bem representado”, completou. 
 
O peemdebista tem em conta o apoio do prefeito Luciano Cartaxo, que também não acredita que as denúncias da Lava Jato envolvendo nomes do PMDB atinjam negativamente a aliança da sua gestão e suas pretensões para 2018. "Uma coisa é a política nacional e outra é a local", avaliou.