Política

Paraibanos vão às urnas em 2018 para eleger pessoas para cinco cargos

Entenda o calendário das Eleições: Ricardo, Cartaxo, Romero e Azevedo precisam deixar cargos até 7 de abril.




Quase 3 milhões de eleitores paraibanos vão às urnas no dia 7 de outubro deste ano. Eles vão votar no candidato a presidente da República, eleger o novo governador, dois senadores, 12 deputados federais e 36 deputados estaduais.

Na Paraíba, pelos menos seis pré-candidatos ao governo já se movimentam de olho no Palácio da Redenção. Estão na lista: João Azevedo (PSB), Luciano Cartaxo (PSD), Romero Rodrigues (PSDB), José Maranhão (PMDB), Lígia Feliciano (PDT) e Társio Teixeira (PSOL).

A ‘peneira’ começa no dia 7 de abril. Quem pretende se lançar candidato a um dos cargos precisa estar atento aos prazos de desincompatibilização para disputar o pleito. Caso contrário, serão considerados inelegíveis, de acordo com a Lei Complementar nº 64/1990 (Lei de Inelegibilidades).

Os magistrados, defensores públicos, secretários estaduais, ministros de Estado e militares que pretendem concorrer devem sair de suas funções seis meses antes das eleições, ou seja, até o dia 7 de abril.

Dia D

O prazo é fatal para os prefeitos Luciano Cartaxo e Romero Rodrigues, bem o secretário de Infraestrutura e Recursos Hídricos, João Azevedo, como Ricardo Coutinho, embora este tenha reafirmado que vai concluir o seu mandato. Se Cartaxo deixar a prefeitura o comando da cidade passa para as mãos do vice Manoel Júnior (PMDB), enquanto Romero entregaria ao vice Enivaldo Ribeiro (PP).

João Azevedo já anunciou que deixa a secretaria de Infraestrutura em abril. Já se Ricardo Coutinho mudar de ideia e deixar o governo para concorrer, por exemplo, a senador, quem assume a chefia do Executivo estadual é a vice Lígia Feliciano, que pode poderia concorrer à reeleição no cargo.

Esse mesmo prazo é válido para membros do Tribunal de Contas da União, dos Estados e do Distrito Federal, de empresas públicas (presidente, diretor, superintendente, dirigente) e entidades mantidas pelo poder público (dirigente, administrador, representante), além de dirigentes de fundações públicas em geral.

Junho

Em 5 de junho, quatro meses antes das eleições gerais, deverão deixar seus postos dirigentes, administradores ou representantes de entidades de classe, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), e dirigentes sindicais.

A três meses do pleito, ou seja, 7 de julho, quem deve se afastar dos respectivos cargos são os servidores públicos em geral, estatutários ou não, dos órgãos da administração direta ou indireta da União, Estados, Distrito Federal e municípios.

Servidores da Justiça Eleitoral não podem ser filiados a partidos políticos e por essa razão precisam se afastar do cargo um ano antes do pleito para, assim, poderem se filiar, mas se quiserem concorrer a algum mandato não poderão voltar aos seus cargos efetivos.

Parlamentares

Os parlamentares que querem concorrer à reeleição ou a outro cargo não precisam sair do Congresso Nacional e nem das assembleias legislativas, bem como o presidente da República. Já o governador que pleiteia cargos de deputado federal, estadual ou distrital, senador e presidente do país deve deixar a atual função seis meses antes da eleição, ou seja, até 7 de abril, exceto se for disputar a reeleição.

O vice-governador e o vice-presidente que não substituíram o respectivo titular nos seis meses anteriores ao pleito e nem o sucederam, não precisam sair do cargo para participar das eleições deste ano.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.